UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

08/06/2007 - 18h11

PANORAMA2-Bolsas conseguem alívio após semana de forte correção

Por Nathália Ferreira

SÃO PAULO, 8 de junho (Reuters) - Depois de uma semana de fortes correções, as bolsas de valores conseguiram algum alento nesta sexta-feira, já que o recuo nos preços de petróleo e no rendimento dos bônus norte-americanos amenizou as preocupações sobre inflação.

A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em alta, após recuar 2,2 por cento na mínima do dia, e as bolsas norte-americanas subiram cerca de 1 por cento.

A melhora nos mercados acionários aliviou as pressões no câmbio e colaborou para que o dólar encerrasse com ligeira valorização. Logo na abertura, a moeda chegou a subir a 1,982 real, com alta de 1,5 por cento.

O começo do dia foi mais negativo no mercado local, que teve que se ajustar ao avanço no rendimento dos Treasuries para acima de 5 por cento pela primeira vez desde julho de 2006 e ao forte movimento de vendas ocorrido na véspera nas bolsas dos EUA e da Europa, quando o mercado brasileiro esteve fechado por conta do feriado de Corpus Christi.

O temor de que pressões inflacionárias possam levar a apertos monetários no mundo fez os mercados sofrerem ajustes nos últimos dias. O dólar saltou frente a outras divisas e os preços do ouro, do petróleo e de outras commodities recuaram.

O gatilho veio de comentários do chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, na terça-feira, de que ainda há riscos para a inflação.

"Investidores que tinham apostado agressivamente em um corte no juro do Fed estão abandonando o barco e agora estamos em uma situação em que as pessoas começam a falar sobre possíveis elevações de juro", relatou David Watt, estrategista cambial do RBC Capital, em Toronto.

Como os temores com a inflação continuam, os investidores estarão bastante atentos aos dados de preços dos EUA, na próxima semana, que podem dar sinais sobre a trajetória do juro no país.

Veja como encerraram os principais mercados nesta sexta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,960 real, com alta de 0,40 por cento.

BOLSA <.BVSP>

A Bovespa subiu 0,54 por cento, a 52.329 pontos. O volume financeiro foi de 4,17 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros avançou 2,89 por cento, para 27.458 pontos. O destaque ficou com Cemig <CIG.N>, que disparou 5,39 por cento.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria de contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2008 fechou a 11,22 por cento, enquanto o DI janeiro de 2009 encerrou em 10,55 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subiu para 131,33 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de pouco mais de 6 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil avançava 2 pontos, para 147 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 160 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI>, referência da bolsa de Nova York, avançou 1,19 por cento, para 13.424 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq <.IXIC>, subiu 1,27 por cento, para 2.573 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subiu e o rendimento caiu a 5,10 por cento, ante 5,14 por cento no final da quinta-feira.

(Reportagem adicional de Juliana Siqueira)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host