UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

11/06/2007 - 08h27

Semana agitada tem inflação dos EUA e ata do Copom

Por Juliana Siqueira

SÃO PAULO, 11 de junho (Reuters) - Com o mercado ainda pisando em ovos, uma série de dados econômicos nos Estados Unidos, entre eles índices de inflação, e decisões de juro na Suíça e no Japão devem manter a volatilidade vista nos últimos dias.

Diante das atuais dúvidas do mercado financeiro em relação às perspectivas para os juros no mundo, esses números podem clarear um pouco o cenário. Investidores temem que juros mais altos afetem a estratégia de tomar dinheiro emprestado em moedas de baixo rendimento para aplicar em ativos arriscados, as chamadas operações de carry trade.

O comportamento do rendimento dos títulos de 10 anos do Tesouro norte-americano também será acompanhado de perto. Na sexta-feira ele chegou a atingir 5,25%, mesmo nível da taxa básica de juro dos Estados Unidos, mas recuou para 5,11% no fim do dia.

"Tudo isso tem a ver com aversão a risco à medida que temos visto juros mais altos impactarem outros mercados financeiros, o que pode forçar pessoas a reduzirem o risco dos carry trades", disse Tom Lee, presidente da Pi Economics, consultoria de investimentos em Stamford, Connecticut.

"Mercados financeiros em queda e rendimentos em alta podem estar nos dizendo que talvez tenhamos chegado a algum limite e que essa bolha de crédito por carry trades se tornou grande demais", acrescentou.

No Brasil, os pontos altos são o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre, na quarta-feira, e a ata da reunião do Copom, na quinta-feira. Esta semana também saem as primeiras leituras de inflação de junho. O mercado estará de olho para ver se os preços continuam comportados, depois da surpresa com o IPCA na última quarta-feira, que ficou um pouco acima do esperado.

Na semana passada, o banco central aumentou o ritmo de corte de juro para 0,5 ponto, mas deixou a porta aberta em relação à decisão do próximo encontro, aumentando o foco sobre a ata e os índices de inflação.

Nos Estados Unidos, a semana abre praticamente na quarta-feira, com a divulgação dos preços de importados e do livro Bege. Os dados mais importantes, no entanto, saem quinta --relatório de preços ao produtor-- e sexta, quando saem os dados dos preços ao consumidor, além de produção industrial e confiança do consumidor.

Ainda na sexta-feira, o chairman do Federal Reserve, Ben Bernanke, fala no Fed de Atlanta sobre "O Canal do Crédito da Política Monetária no Século XXI".

Em sua última aparição, na terça-feira, comentários de Bernanke deflagaram uma correção de diversos ativos.

Ele disse que a economia dos Estados Unidos deve crescer a um ritmo lento nos próximos meses, mas que há riscos de que o elevado nível do núcleo da inflação não ceda.

O mercado que mais sentiu foi o acionário, com o Dow Jones computando queda de 1,78% na semana e o Ibovespa de 2%. Ambos os índices operavam em recordes históricos antes desses ajustes.

Entre as notícias corporativas no Brasil, destaque para o anúncio da Petrobras na sexta-feira, após o fechamento do mercado, de que descobriu óleo leve em águas profundas na Bacia de Campos, no mar do Espírito Santo. Para ler mais, clique .

Os papéis da empresa subiram 1% na sexta, apesar da queda de 2 dólares no preço do petróleo no mercado internacional.

Veja como encerraram os principais mercados na sexta-feira:

CÂMBIO

O dólar terminou a R$ 1,96, com alta de 0,40%.

BOLSA

A Bovespa subiu 0,54%, a 52.329 pontos. O volume financeiro foi de R$ 4,17 bilhões.

ADRs BRASILEIROS

O índice de principais ADRs brasileiros subiu 2,89%, aos 27.458 pontos. O destaque ficou co Cemig , que disparou 5,39%.

JUROS

A maioria de contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2008 encerrou a 11,22%, enquanto o DI janeiro de 2009 ficou em 10,55%.

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subia para 131,313% do valor de face, oferecendo rendimento de 6,081% ao ano.

RISCO-PAÍS

No final da tarde, o risco Brasil avançava 1 ponto, para 147 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 158 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones , referência da bolsa de Nova York, avançou 1,19%, para 13.424 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq , subiu 1,27%, para 2.573 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve valorização de 1,14%, para 1.507 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento caía a 5,11%, ante 5,14% no final da quinta-feira.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host