UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

15/06/2007 - 08h32

PANORAMA1-Foco é sobre agenda dos EUA, com inflação e Bernanke

Por Juliana Siqueira

SÃO PAULO, 15 de junho (Reuters) - Dados de inflação e atividade, além de comentários do chairman do Federal Reserve, devem determinar nesta sexta-feira se o mercado permanece na trajetória de alta vista nos últimos dois dias ou se a turbulência vista nos primeiros dias de junho volta à cena.

Munição não vai faltar. Entre os relatórios mais importantes está o de inflação no varejo (CPI, na sigla em inglês). Analistas esperam que o número cheio suba para 0,6 por cento, enquanto o núcleo avance no mesmo nível do mês passado, 0,2 por cento.

"O CPI é segundo índice de preços em termos de importância para a autoridade monetária", comentou o economista-chefe da corretora Concórdia, Elson Teles.

Dada a contínua preocupação do Fed com o avanço dos preços e a recente mudança na previsão do mercado quanto ao rumo do juro este ano --prevendo agora manutenção da taxa em 5,25 por cento, ao invés de corte-- os dados ganham peso especial.

A mudança nas apostas ajudou o rendimento do título do tesouro norte-americano a atingir 5,33 por cento esta semana, maior nível em mais de cinco anos, deixando investidores nervosos. Na véspera, entretanto, investidores estavam um pouco mais tranquilos e a taxa passou o dia oscilando em torno de 5,21 por cento.

Para a IDEAglobal, a "violenta reversão" vista no rendimento dos Treasuries pode sinalizar uma interrupção ao recente movimento do mercado em direção a taxas mais altas.

Ainda no topo da agenda está a produção industrial de maio, que economistas consultados pela Reuters esperam que tenha desacelerado para 0,2 por cento, frente aos 0,7 por cento do mês anterior. O comportamento mais fraco dos setores de construção e automotivo deve justifcar a desaceleração no ritmo de crescimento da produção, segundo pesquisa da Reuters.

O dia conta ainda com confiança do consumidor e o resultado das transações correntes dos EUA, mas as atenções estarão concentradas em eventuais comentários de Ben Bernanke, que fala a partir das 9h30 (horário de Brasília) sobre "Canal do Crédito na Política Monetária" em conferência do Fed de Atlanta. Espaço para perguntas e respostas está previsto.

E como se não bastasse a extensa longa de dados, ainda é dia de vencimento quádruplo em Wall Street, colocando mais lenha na fogueria.

No Brasil, não há divulgação de indicadores prevista, mas o mercado vai acompanhar de perto a situação dos servidores do Banco Central, que devem voltar ao trabalho nesta sexta-feira, após mais de 40 dias de greve. Investidores andam "no escuro" quanto a uma série de dados que deixaram de ser divulgados, o que anda atrapalhando projeções. Para ler mais, clique [nN14164252].

Na Bovespa a proximidade do exercício de opções, que ocorre segunda-feira, pode gerar volatilidade.

Para ler a agenda do dia, clique [nN15157310]

Veja como encerraram os principais mercados na quinta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,928 real, em queda de 0,87 por cento.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa avançou 1,36 por cento, a 53.712 pontos. Durante os negócios, o indicador alcançou o recorde de 53.797 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 4,54 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em alta de 2,15 por cento, aos 28.830 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2008 recuou a 11,18 por cento, enquanto o DI janeiro de 2009 caiu para 10,53 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subia para 131,0 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 6,12 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil recuava 6 pontos, para 146 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 156 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI> subiu 0,53 por cento, para 13.553 pontos. O Nasdaq <.IXIC> avançou 0,66 por cento, a 2.599 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, caía e o rendimento subia levemente, a 5,22 por cento no final da tarde, depois de recuar a menos de 5,20 por cento mais cedo.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host