UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

26/06/2007 - 13h03

ATUALIZA-Para Pimco, crise imobiliária nos EUA não é isolada

(Texto atualizado com mais informações)

NOVA YORK, 26 de junho (Reuters) - Bill Gross, gestor do maior fundo de bônus do mundo, avaliou nesta terça-feira que a crise no setor de crédito imobiliário dos Estado Unidos não é um evento isolado.

Gross, vice-presidente de investimentos da Pacific Investment Management Co. (Pimco), também afirmou, em relatório sobre a perspectiva de investimentos de julho, que a crise pode levar o Federal Reserve a reduzir o juro até o fim do ano.

Em uma entrevista, o gestor relatou ter conversado com o ex-chairman do Fed Alan Greenspan na segunda-feira, mas se recusou a contar o teor da discussão. Greenspan é consultor econômico da Pimco.

No relatório, divulgado no site da empresa, Gross disse que a ajuda ao hedge fund do Bear Stearns <BSC.N> é similar ao episódio do Long Term Capital Management que aconteceu há quase uma década.

Ele se referia ao colapso, em agosto de 1998, do hedge fund LTCM, fortemente alavancado. O episódio gerou pânico no mundo todo e levou o Fed de Nova York a intermediar uma injeção de 3,6 bilhões de dólares para manter os mercados financeiros estáveis.

"Que vergonha, senhor Stearns, ou quem quer que você seja, por assustar os investidores desse jeito e fazer o IPO do Blackstone ir para a segunda página do Wall Street Journal", escreveu Gross. "Deveríamos ter tido uma semana de festa e celebração pela tomada alavancada de risco."

Ele disse que a crise do crédito imobiliário "pode ser justamente o que o Fed estava procurando: crédito fácil se tornando menos fácil; liquidez excessiva retornando para níveis mais racionais."

Gross, porém, espera que o Fed emita um "seguro" sob a forma de juro menor em algum momento nos próximos seis meses.

Ele acrescentou que a crise do crédito imobiliário reduzirá o consumo e a construção de novas moradias nos próximos 12 a 18 meses.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host