UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

26/06/2007 - 18h09

PANORAMA2-Foco continua em setor de crédito imobiliário nos EUA

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 26 de junho (Reuters) - Os mercados norte-americanos tentaram uma recuperação, mas não esqueceram a tensão com o setor de crédito imobiliário de risco e determinaram mais uma vez a alta do dólar e a queda da Bolsa de Valores de São Paulo nesta terça-feira.

O principal foco de preocupação ainda veio dos dois hedge funds do Bear Sterns que entraram em dificuldades após aplicar fortemente em financiamento imobiliário de risco, chamado subprime.

Isso tem deixado os investidores cautelosos e colaborado para impulsionar os títulos do Tesouro norte-americano, papéis considerados mais seguros.

Bill Gross, gestor do maior fundo de bônus do mundo, a Pacific Investment Management Co. (Pimco), avaliou que a crise no setor subprime não é um evento isolado, e comparou o socorro aos fundos do Bear Sterns com o episódio do Long Term Capital Management, ocorrido há quase dez anos.

Na ocasião, o colapso do fundo gerou pânico no mundo e obrigou o Fed de Nova York a injetar 3,6 bilhões de dólares para manter a estabilidade nos mercados.

A preocupação reverteu a abertura positiva em Wall Street por conta de uma oferta de aquisição no setor de assistência médica e pela queda no rendimento dos títulos do Tesouro norte-americano.

No Brasil, o Conselho Monetário Nacional (CMN) confirmou as expectativas e definiu a meta de inflação para 2009 em 4,5 por cento, mesmo patamar dos anos anteriores.

Entretanto, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, defenderam que o país deve tentar manter a inflação sempre abaixo do centro da meta.

Veja como encerraram os principais mercados nesta terça-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,954 real, em alta de 0,15 por cento. O volume no segmento interbancário foi de 3,6 bilhões de reais.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa caiu 0,35 por cento, a 53.851 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 3,76 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em queda de 0,53 por cento, aos 28.335 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) recuou na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2008 caiu a 11,20 por cento, enquanto o DI janeiro de 2009 cedeu a 10,75 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, caía para 130,875 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 6,122 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil subia a 158 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 169 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI>, referência da bolsa de Nova York, fechou em baixa de 0,11 por cento, para 13.337 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq <.IXIC> caiu 0,11 por cento, para 2.574 pontos, enquanto o índice Standard & Poor's 500 <.SPX> teve desvalorização de 0,32 por cento, para 1.492 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento cedia a 5,08 por cento no final da tarde.

(Reportagem adicional de Juliana Siqueira e Nathália Ferreira)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host