UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

13/07/2007 - 13h36

ATUALIZA-Morgan Stanley reduz recomendação para ações do Brasil

(Acrescenta comentários e informações)

LONDRES/SÃO PAULO, 13 de julho (Reuters) - O Morgan Stanley diminuiu a recomendação para ações do Brasil e da China em seu portfólio modelo e aumentou a recomendação para Malásia, Israel e México, segundo relatório divulgado no final da quinta-feira.

Os analistas da instituição reduziram a posição do Brasil de "overweight" (acima da média do mercado) para "equal-weight" (em linha com a média).

No caso da China, a recomendação passou de "equal-weight" para "underweight" (abaixo da média do mercado). O banco também reduziu sua alocação na Polônia e na República Tcheca para "equal-weight" e "underweight", respectivamente.

O Morgan explicou que as mudanças o posicionam melhor para um esperado aumento da volatilidade do mercado.

Os analistas observaram que o Brasil teve desempenho 11 por cento acima do índice MSCI EM até agora este ano e que o índice MSCI do Morgan Stanley para as ações emergentes <.MSCIEF> já está 5 por cento acima da meta para o final de 2007.

"Essencialmente, esperamos que a economia brasileira continue a mostrar crescimento robusto, mas achamos que a recuperação a partir de níveis mais baixos de crescimento tenha ocorrido, em grande parte, no primeiro semestre de 2007", afirmou a instituição no relatório.

"Não há mudanças em nossa meta de MSCI Brasil de 3.268 pontos em dólar --61.700 pontos para o Ibovespa", complementou. O índice encerrou o pregão de sexta-feira a 57.613 pontos.

Apesar da avaliação mais cautelosa para o país e mais positiva em relação ao México, o Brasil ainda está no grupo dos principais países entre os emergentes, em oitavo no ranking, enquanto o México está em 13o.

"Ainda preferimos Brasil a México no contexto regional da América Latina."

Malásia e Israel foram colocados em "overweight", enquanto o México foi colocado em "equal-weight".

Segundo o banco, os três mercados têm tido historicamente baixos coeficientes de volatilidade e devem ter desempenho bom se a previsão de ambiente mais "desafiador" se materializar.

(Reportagem adicional de Juliana Siqueira, em São Paulo)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host