UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

13/08/2007 - 17h40

PANORAMA2-Mercado diminui volatilidade, mas mantém cautela

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 13 de agosto (Reuters) - Os mercados financeiros diminuíram o ritmo nesta segunda-feira e não repetiram a tensão vista no final da semana passada. Em meio à menor volatilidade, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) manteve a cautela e fechou em queda mais moderada, enquanto o dólar recuou influenciado pelo fluxo positivo.

A atuação de vários bancos centrais para garantir liquidez ao sistema financeiro, ainda que em volume menor em relação aos últimos dias, amenizou novamente o nervosismo dos investidores. O Banco Central Europeu (BCE), que fez a maior operação do tipo, colocou mais 47,67 bilhões de euros (65,29 bilhões de dólares) para operações no overnight.

Além do BCE, o Banco do Japão injetou 5,1 bilhões de dólares no sistema bancário, o Federal Reserve colocou 2 bilhões de dólares e o Banco do Canadá acrescentou 670 milhões de dólares canadenses (638 milhões de dólares).

O mercado também recebeu bem a notícia de que o banco de investimentos Goldman Sachs <GS.N> vai colocar, em parceira com outros investidores, 3 bilhões de dólares em um hedge fund que teve queda de mais de 30 por cento este ano.

"A injeção feita por parte dos bancos centrais está ajudando a estabilizar o mercado, e o anúncio do Goldman de que investiria em seu hedge fund mostra que ainda há oportunidades para colocar o dinheiro para trabalhar", disse Owen Fitzpatrick, diretor de ações norte-americanas do Deutsche Bank Private Wealth Management, em Nova York.

"Mas a preocupação geral com a liquidez não foi embora de uma hora para outra, e eu ainda penso que estamos em um mercado volátil", ressalvou. A postura de cautela se refletiu no comportamento dos principais índices acionários norte-americanos, que fecharam praticamente estáveis.

As bolsas começaram o dia em alta, com o impulso adicional de dados do Departamento de Comércio que mostraram crescimento um pouco maior que o previsto nas vendas do varejo dos Estados Unidos.

No Brasil, o mercado recebeu a notícia de que o emprego na indústria nacional se acomodou após 5 meses de alta, registrando ligeira baixa de 0,1 por cento em junho. Na comparação com junho de 2006, o emprego cresceu 2,1 por cento.

Veja como encerraram os principais mercados nesta segunda-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,943 real, em baixa de 0,46 por cento. O volume no segmento interbancário foi de 2,7 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa caiu 0,39 por cento, a 52.434 O volume financeiro na bolsa foi de 3,8 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em baixa de 0,89 por cento, aos 27.998 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2009 foi a 11,11 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 fechou a 11,30 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, para subia 0,375 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 6,15 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil estável a 190 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 206 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI> teve desvalorização de 0,02 por cento, para 13.236 pontos. O Nasdaq <.IXIC> caiu 0,10 por cento, a 2.542 pontos. O índice S&P 500 <.SPX> 0,05 por cento, para 1.452 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento caía a 4,77 por cento no final da tarde.

(Reportagem adicional de Juliana Siqueira e Angela Bittencourt)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host