UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

22/08/2007 - 08h30

PANORAMA1-Ainda apreensivo, mercado segue atento a sinais de BCs

Por Juliana Siqueira

SÃO PAULO, 22 de agosto (Reuters) - O mercado anda um pouco mais calmo nos últimos dias, em parte pela expectativa de que o Federal Reserve corte o juro antes do esperado. Enquanto isso, a agenda econômica segue fraca e a cautela grande.

O que ninguém sabe é se a recente melhora veio para ficar ou se é somente um respiro. Bom sinal são os dados sobre os fundos de investimento doméstico computados pelo site Fortuna: em agosto perderam apenas 5 por cento do patrimônio consolidado das instituições, como mostra a coluna de Angela Bittencourt [ID:N22388801].

O destaque da agenda desta quarta-feira fica por conta dos pedidos de hipotecas nos Estados Unidos, que saem às 8h, embora os últimos relatórios não tenham tido impacto significativo no mercado.

"Não acho que os dados realmente importem no momento", disse Bill Hornbarger, estrategista-chefe de renda fixa da A.G.Edwards & Sons, em St. Louis.

As expectativas por um corte do juro pelo Federal Reserve em setembro ou antes disso cresceram na terça-feira, após comentários feitos pelo presidente do comitê bancário do Senado norte-americano, Christopher Dodd, que se reuniu com o chairman do banco central dos EUA.

O senador afirmou que Ben Bernanke prometeu a ele usar todas as ferramentas possíveis, se necessário, para conter a turbulência dos mercados financeiros.

As federal funds chegaram a ser negociadas a 4,75 por cento na véspera, bem abaixo da meta do Fed, de 5,25 por cento.

"Os mercados continuarão a reagir à medida que as notícias sobre perdas e falências são divulgadas. Esse processo deve levar algum tempo", previu a Merrill Lynch em relatório.

Entre as notícias corporativas, a agência de classificação de risco Standard & Poor's reduziu na véspera a perspectiva do rating da TAM <TAMM4.SA> de estável para negativa, citando aumento das incertezas sobre o ambiente regulatório e operacional e preocupações com custos [ID:N22384149].

Para ler a agenda do dia, clique [nN21358043]

Veja como encerraram os principais mercados na terça-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 2,035 real, em alta de 0,30 por cento. O volume no segmento interbancário foi de 1,5 bilhão de dólares.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa subiu 1,24 por cento, a 49.815 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 3,9 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em alta de 0,87 por cento, aos 25.535 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) encerraram sem rumo comum na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2009 subiu levemente, a 11,90 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 avançou a 12,22 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subia para 130 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 6,18 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil avançava 3 pontos, para 219 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 244 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI> recuou 0,23 por cento, para 13.090 pontos. O Nasdaq <.IXIC> subiu 0,51 por cento, a 2.521 pontos. O índice S&P 500 <.SPX> teve alta de 0,11 por cento, as 1.447 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subia e o rendimento caía a 4,598 por cento no final da tarde ante 4,63 por cento na segunda-feira.

(Reportagem adicional de Angela Bittencourt, Silvio Cascione e Vanessa Stelzer)

Hospedagem: UOL Host