UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

22/08/2007 - 18h28

PANORAMA2-Mercado acelera recuperação e bolsas têm forte alta

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 22 de agosto (Reuters) - Os mercados financeiros respiraram fundo e tiveram mais um dia de recuperação nesta quarta-feira, em meio à ausência de notícias negativas de peso sobre o setor de crédito de alto risco dos Estados Unidos.

A Bolsa de Valores de São Paulo foi o destaque do dia, com a segunda maior alta do ano e de volta --já com uma certa gordura-- acima do patamar de 50 mil pontos. Foi a quarta alta consecutiva da bolsa paulista.

O desempenho do mercado acionário brasileiro foi diretamente influenciado pelo fôlego de Wall Street e das bolsas de valores européias. Os investidores se apoiaram em notícias corporativas positivas e na expectativa de corte da taxa básica de juro pelo Federal Reserve.

De acordo com pesquisa realizada pela Reuters com mais de 100 economistas nos Estados Unidos e na Europa, após o corte na taxa de redesconto da última sexta-feira o Fed deve voltar a agir para facilitar o acesso à liquidez no sistema bancário.

Quarenta e cinco de 63 analistas disseram que o Fed cortará a taxa básica de juro até a reunião de 18 de setembro, sendo que seis apostam em um movimento antes do encontro, enquanto 18 acreditam em manutenção.

Em meio à expectativa, os bancos centrais voltaram a atuar no mercado aberto para garantir liquidez. O Banco Central Europeu (BCE) anunciou uma operação de 40 bilhões de euros na quinta-feira, em oferta de 91 dias, em uma "medida técnica para dar suporte à normalização" dos mercados. Já o Fed injetou 2 bilhões de dólares no mercado aberto em uma operação de 1 dia.

A disponibilidade de crédito tem sido aproveitada pelas instituições financeiras. Os quatro maiores bancos dos Estados Unidos --JPMorgan Chase <JPM.N>, Bank of America, Wachovia Corp. <WB.N> e Citigroup <C.N>-- tomaram um total de 2 bilhões de dólares emprestados diretamente do Federal Reserve nesta quarta-feira.

Veja como encerraram os principais mercados nesta quarta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 2,013 reais, em baixa de 1,08 por cento. O volume no segmento interbancário foi de 2,376 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa avançou 3,87 por cento, a 51.744 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 5,3 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em alta de 5,45 por cento, aos 26.927 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2009 recuou a 11,74 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 caiu para 12,08 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subiu para 131,000 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 6,04 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil recuou 15 pontos, para 202 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 228 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI> teve alta de 1,11 por cento, para 13.236 pontos. O Nasdaq <.IXIC> avançou 1,25 por cento, a 2.552 pontos, enquanto o índice S&P 500 <.SPX> teve valorização de 1,17 por cento, para 1,464 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, caiu e o rendimento aumentou para a 4,65 por cento no final da tarde.

(Reportagem adicional de Juliana Siqueira e Angela Bittencourt)

Hospedagem: UOL Host