UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

12/09/2007 - 17h38

PANORAMA2-PIB rouba a cena em dia de agenda vazia no exterior

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 12 de setembro (Reuters) - O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro roubou a cena em uma quarta-feira de agenda fraca no exterior. O resultado do segundo trimestre, ainda que não tenha atendido às expectativas mais otimistas, mostrou uma aceleração do crescimento no segundo trimestre.

A economia brasileira registrou crescimento de 0,8 por cento frente aos três primeiros meses do ano. Em relação ao mesmo período de 2006, o PIB teve aumento de 5,4 por cento.

"Não considero relevante o fato de a taxa de crescimento do PIB ter vindo no piso das estimativas, uma vez que as projeções foram fixadas nos últimos 20 dias. Antes disso, falava-se em dados muito menores. É provável também que revisões futuras sejam feitas e melhorem esse resultado que não é ruim", disse Alexandre Mathias, diretor de operações do Unibanco Asset.

O resultado influenciou principalmente o mercado de juros futuros, com queda na maioria das projeções negociadas na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F).

O resultado do PIB, porém, teve pouca peso sobre o mercado de câmbio, que voltou a registrar queda do dólar em meio à entrada de moeda no país e à diminuição das apostas no mercado futuro sobre uma desvalorização do real.

A agenda de indicadores vazia no exterior murchou a sessão desta quarta-feira nos mercados internacionais e as bolsas de valores em Nova York passaram o dia com pequenas oscilações em torno da estabilidade.

Nem mesmo o novo recorde do petróleo, que chegou a superar os 80 dólares por barril nos Estados Unidos, mexeu de forma significativa com o humor de Wall Street, ainda que tenha elevado as ações de empresas do setor de energia.

Com a falta de fôlego no cenário externo, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também tirou o pé do acelerador e registrou apenas uma leve baixa.

Veja como encerraram os principais mercados nesta quarta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,909 real, em queda de 0,83 por cento. O volume no segmento interbancário foi de 2,313 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa caiu 0,07 por cento, a 53.882 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 4,3 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em alta de 0,46 por cento, aos 28.901 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) caiu na Bolsa de Mercadorias & Futuros. O DI janeiro de 2009 fechou a 11,49 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 foi a 11,78 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, caía para 132.938 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 5,78 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil declinava 3 pontos, para 206 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 233 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI> baixou 0,13 por cento, para 13.291 pontos. O Nasdaq <.IXIC> caiu 0,21 por cento, a 2.592 pontos. O índice S&P 500 <.SPX> fechou estável, a 1.471 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, recuava e o rendimento subia a 4,4 por cento no final da tarde.

(Reportagem adicional de Juliana Siqueira, Rodrigo Viga Gaier e Angela Bittencourt)

Hospedagem: UOL Host