UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/01/2008 - 18h15

PANORAMA2-Mercado digere pacote nos EUA, mas espera detalhes

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 18 de janeiro (Reuters) - O plano econômico da Casa Branca e do Congresso norte-americano para salvar os Estados Unidos de uma recessão começou a ganhar forma nesta sexta-feira, com breve discurso do presidente George W. Bush. O mercado digeriu as novidades, mas ainda aguarda os detalhes para reavaliar as perspectivas de uma contração em 2008.

"A boa notícia é que o governo (dos EUA) está com uma atuação que pode resultar em uma performance econômica mais firme nos próximos seis meses. A má notícia é que essa ação confirma a fragilidade atual da economia", disse Tim Evans, analista de energia do Citigroup Futures Research, em Nova York.

O que o mercado realmente soube é que o pacote deve ter entre 140 bilhões e 150 bilhões de dólares, com boa parte disso em alívio tributário para os consumidores. Os detalhes serão definidos apenas depois de negociações entre a Casa Branca e o Congresso, de maioria democrata.

Os dois lados se enfrentaram duramente no ano passado em várias questões --orçamento, assistência médica e guerra do Iraque, por exemplo. A possível recessão norte-americana, porém, parece ter aproximado os dois partidos no ano de campanha presidencial, e Bush já fala em um acordo "muito rapidamente" com o Congresso sobre o pacote econômico.

A reação inicial dos mercados financeiros foi de ceticismo. As bolsas em Nova York perderam fôlego, e caminhavam para mais um dia de perdas --o índice S&P 500 chegou a atingir o menor nível em 16 meses. A queda, porém, era mais comedida do que nos outros dias devido à cautela dos agentes antes de uma avaliação definitiva.

No Brasil, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e o dólar chegaram a acompanhar a reação negativa, mas depois se acomodaram após uma semana de perda de valor para ativos brasileiros. A bolsa paulista terminou o dia com alta de 0,82 por cento, segundo dados preliminares, e o dólar, que quase superou o nível de 1,80 real, fechou com discreta baixa de 0,06 por cento.

Veja como encerraram os principais mercados nesta sexta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,786 real, em ligeira baixa de 0,06 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 3,25 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa subiu 0,82 por cento, a 57.506 pontos, de acordo com dados preliminares. O volume financeiro na bolsa foi de 5,8 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

Às 18h10 (horário de Brasília), o índice de principais ADRs brasileiros operava em alta de 1,23 por cento, aos 32.054 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) fechou em queda na BM&F. O DI janeiro de 2009 caiu a 11,92 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 recuou a 12,75 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, caía para 134.563 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de quase 5,38 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil subia 2 pontos, a 250 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 272 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

Pouco antes do fechamento, o índice Dow Jones <.DJI> tinha variação negativa de 0,40 por cento, a 12.110 pontos. O Nasdaq <.IXIC> recuava 0,25 por cento, para 2.340 pontos. O índice S&P 500 <.SPX> exibia queda de 0,74 por cento, aos 1.323 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, recuava levemente e o rendimento estava em cerca de 3,63 por cento no final da tarde.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código PAN/SA)

(Reportagem adicional de Daniela Machado e Fabio Gehrke; Edição de Cesar Bianconi)

Hospedagem: UOL Host