UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

12/05/2008 - 08h01

PANORAMA1-Semana começa com política industrial e inflação

SÃO PAULO, 12 de maio (Reuters) - Após uma incubação de mais de um ano, o governo anuncia nesta segunda-feira sua nova política industrial, batizada de Política de Desenvolvimento Produtivo.

A cerimônia, que será realizada na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro, terá a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ministros, governadores, empresários e representantes de centrais sindicais.

A indústria espera com um otimismo cauteloso a confirmação das medidas, que envolverão desoneração e criação de linhas especiais de crédito para 24 setores da economia.

A política têm quatro grandes metas: elevar o investimento direto na economia, estimular a inovação e elevar a participação do país nas exportações globais, além de aumentar o número de micro e pequenas empresas exportadoras.

INFLAÇÃO

Depois de surpresas negativas com a inflação nos últimos dias, os mercados terão mais uma semana de dados de preços, que por enquanto não devem trazer alívios significativos.

Já nesta manhã, foi divulgado o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fipe referente à primeira quadrissemana de maio de inflação em São Paulo. O índice mostrou aceleração de 0,68 por cento na primeira quadrissemana de maio.

Há também a divulgação do relatório Focus com as previsões do mercado para preços e juros no ano. Ambas as expectativas vêm subindo nas últimas semanas.

Como os preços ao consumidor vêm se mostrando mais comportados, pelo menos por ora, a tensão fica para a quinta-feira, quando sai o Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) de maio. A semana acaba com a segunda leitura do mês do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S).

Outro dado doméstico que será observado com atenção é o de vendas no comércio do IBGE, na quinta-feira, que fecha o primeiro trimestre. A demanda forte é uma das preocupações do Banco Central em relação à inflação.

Nos EUA, o destaque fica para quarta-feira, com a divulgação dos preços ao consumidor.

O mercado deve repecutir também notícias publicadas no fim de semana de que o governo estaria estudando elevar o superávit primário para algo em torno de 5 por cento do PIB. Os recursos além da atual meta de 3,8 por cento seriam destinados à composição do fundo soberano em gestão pelo governo.

COMMODITIES E ENERGIA

A Petrobras divulga nesta segunda-feira, após o fechamento dos mercados, os resultados financeiros do primeiro trimestre. Analistas ouvidos pela Reuters estimaram, em média, um aumento de 37 por cento no lucro líquido no período, devido à melhoria na produção de petróleo.

As empresas interessadas em participar do leilão de concessão para a construção da hidrelétrica de Jirau, no rio Madeira, deverão entregar nesta segunda-feira os documentos necessários para a habilitação. Na quarta-feira, as empresas que entregaram os documentos e foram habilitadas deverão fazer o depósito das garantias financeiras. O leilão está previsto para o dia 19 de maio.

Em São Paulo, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, participa de evento na sede da Fiesp, e deve conversar com jornalistas.

Veja como encerraram os principais mercados na sexta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,686 real, em baixa de 0,47 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 1,520 bilhão de dólares.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa caiu 0,11 por cento, a 69.645 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 4,7 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em leve queda de 0,03 por cento, aos 41.137 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) fecharam em alta na BM&F. O DI janeiro de 2009 foi a 13,12 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 subiu a 14,31 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, subiu para 136,625 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 4,93 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil subia 4 pontos, a 215 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 265 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI> caiu 0,94 por cento, a 12.745 pontos. O Nasdaq <.IXIC> desvalorizou 0,23 por cento, para 2.445 pontos. O índice S&P 500 <.SPX> teve queda de 0,67 por cento, aos 1.388 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, subiu e o rendimento caiu para 3,78 por cento no final da tarde.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código PAN/SA)

(Reportagem de Vanessa Stelzer e Taís Fuoco; Edição de Cláudia Pires)

Hospedagem: UOL Host