UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/06/2008 - 17h40

PANORAMA2-Fed mantém juro, bolsas sobem e dólar recua

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 25 de junho (Reuters) - O Federal Reserve seguiu o roteiro esperado pelo mercado nesta quarta-feira, mantendo o juro dos Estados Unidos e aumentando o tom de voz contra a inflação.

A taxa básica de juro ficou em 2 por cento ao ano após uma série de cortes iniciada em setembro. Em comunicado, o Fed afirmou que "os riscos de alta da inflação e as expectativas inflacionárias aumentaram".

"Eu acho que o Fed ainda vai ficar relutante em subir o juro por causa da preocupação que existe sobre a crise financeira e de liquidez", disse Bill O'Neill, sócio-diretor da Logic Advisors, em Nova Jersey.

A expectativa era a mesma no mercado de juros futuros dos Estados Unidos. As taxas projetavam que o Fed vai manter novamente o juro em agosto, aguardando para elevá-lo somente em setembro.

Sem uma surpresa na política monetária dos Estados Unidos, as ações acharam espaço para subir em Nova York e especialmente no Brasil. Aqui, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em alta de mais de 2,5 por cento.

Outro motivo para o otimismo em Wall Street foi a queda do petróleo. O barril da commodity caiu mais de 2 dólares no mercado norte-americano e aliviou ligeiramente as preocupações com a inflação.

Os preços no Brasil, no entanto, não deram trégua. A prévia da inflação oficial, o IPCA-15, acelerou a 0,90 por cento em junho, mais do que o esperado pelo mercado, e puxou para cima as projeções de juros na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F).

O Banco Central também demonstrou receio com a inflação. Em seu relatório trimestral, ele indicou que há 25 por cento de chance de que a inflação supere o teto da meta em 2008. O alvo é 4,5 por cento, mas admite-se inflação de até 6,5 por cento.

No mercado de câmbio, a ausência de uma sinalização clara do Fed em direção a um aumento do juro provocou a queda da moeda norte-americana em todo o mundo. No Brasil, isso ajudou o dólar a romper a barreira de 1,60 real pela primeira vez desde janeiro de 1999.

Veja como encerraram os principais mercados nesta quarta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,591 real, em baixa de 0,75 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 2,615 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa subiu 2,63 por cento, a 65.853 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 6,6 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em alta de 2,64 por cento, aos 40.246 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

Os contratos de depósito interfinanceiro (DI) fecharam em alta na BM&F. O DI janeiro de 2009 subiu a 13,22 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 avançou a 14,80 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, caía para 132,563 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 5,43 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil subia 3 pontos, a 209 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 271 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI> teve variação positiva de 0,04 por cento, a 11.811 pontos. O Nasdaq <.IXIC> ganhou 1,39 por cento, para 2.401 pontos. O índice S&P 500 <.SPX> avançou 0,58 por cento, aos 1.321 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, caía e o rendimento avançava para 4,11 por cento no final da tarde.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código PAN/SA)

(Reportagem adicional de Fabio Gehrke e Aluísio Alves; Edição de Vanessa Stelzer)

Hospedagem: UOL Host