UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

05/09/2008 - 18h20

PANORAMA2-Mercado respira após semana turbulenta

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO, 5 de setembro (Reuters) - O mercado acertou o passo no final desta sexta-feira, com recuperação parcial das bolsas de valores nos Estados Unidos e no Brasil depois de uma semana complicada por dados econômicos preocupantes.

A melhora nas bolsas ocorreu em parte por causa do setor financeiro. À tarde, a Reuters publicou que duas firmas de private equity --KKR e Blackstone-- avaliam a compra de parte do Lehman Brothers <LEH.N>, um dos bancos de investimento mais afetados pela crise de crédito do último ano.

O mercado recebeu ainda, após o fechamento dos negócios, a notícia do Wall Street Journal de que o Tesouro deve injetar capital nas duas principais agências de hipotecas dos Estados Unidos, Fannie Mae e a Freddie Mac.

A novidade, não confirmada pelo Tesouro nem pela Fannie Mae, conseguiu derrubar em poucos minutos o preço dos Treasuries norte-americanos --em um sinal de maior apetite pelo risco.

Mas o último pregão da semana também começou turbulento. A divulgação de que o desemprego nos Estados Unidos alcançou 6,1 por cento em agosto acendeu o alerta de recessão na maior economia do mundo --na mesma semana em que a zona do euro anunciou a primeira contração trimestral desde 1995.

A piora no panorama econômico mexeu até com as projeções de juros. O mercado desconsidera uma alta da taxa básica no curto prazo nos Estados Unidos, e já abre a possibilidade de um novo corte abaixo de 2 por cento ainda este ano.

No mercado de câmbio, o dólar se estabilizou depois de uma arrancada de mais de 5 por cento em quatro dias. A moeda norte-americana, ainda assim, teve o fechamento mais alto diante do real desde o começo de abril.

Veja como encerraram os principais mercados nesta sexta-feira:

CÂMBIO <BRBY>

O dólar terminou a 1,718 real, em leve alta de 0,06 por cento. O volume do segmento interbancário foi de 3,094 bilhões de dólares.

BOLSA <.BVSP>

O Ibovespa subiu 1,03 por cento, a 51.939 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 4,9 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS <.BR20>

O índice de principais ADRs brasileiros fechou em queda de 0,26 por cento, aos 30.089 pontos.

JUROS <0#2DIJ:>

A maioria dos contratos de depósito interfinanceiro (DI) fechou em baixa na BM&F. O DI janeiro de 2009 subiu a 13,95 por cento, enquanto o DI janeiro de 2010 caiu a 14,74 por cento.

GLOBAL 40 <BRAGLB40=RR>

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, recuava para 131,875 por cento do valor de face no final da tarde, oferecendo rendimento de 5,42 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS <11EMJ>

No final da tarde, o risco Brasil recuava a 256 pontos-básicos. O EMBI+ estava em 320 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones <.DJI> subiu 0,29 por cento, a 11.220 pontos e o índice S&P 500 <.SPX> avançou 0,44 por cento, aos 1.242 pontos. Já o Nasdaq <.IXIC> caiu 0,14 por cento, para 2.255 pontos.

TREASURIES DE 10 ANOS <US10YT=RR>

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, cederam e o rendimento aumentou para 3,70 por cento no final da tarde.

(PANORAMA1 e PANORAMA2 são localizados no terminal de notícias da Reuters pelo código PAN/SA)

(Reportagem adicional de Rodolfo Barbosa e Vanessa Stelzer; Edição de Alexandre Caverni)

Hospedagem: UOL Host