! Tesouro dos EUA: necessidade de intervir nos mercados é menor - 10/09/2009 - Reuters - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

10/09/2009 - 18h31

Tesouro dos EUA: necessidade de intervir nos mercados é menor

Por Glenn Somerville e David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O secretário do Tesouro norte-americano, Timothy Geithner, afirmou nesta quinta-feira que, com a economia se fortalecendo, o governo pode encerrar algumas das medidas emergenciais de apoio aos mercados e preparar-se para um lento processo de recuperação.

Em discurso ao painel parlamentar de supervisão do plano governamental de 700 bilhões de dólares (TARP, na sigla em inglês), Geithner afirmou que a economia está em estado muito melhor que há um ano, quando encontrava-se "à beira do colapso", embora ainda haja problemas.

"À medida que entramos nessa nova fase, temos que começar a desmontar parte do extraordinário suporte que pusemos em prática no sistema financeiro", disse. "Estamos agora em condições de avançar em nossa estratégia à medida que saímos de uma posição de resposta à crise para uma de recuperação".

Geithner enfrentou um verdadeiro interrogatório dos membros do painel, que queriam saber por que o auxílio pago pelo contribuinte ficava à disposição do setor financeiro, mas não de outros tipos de empresas. Ele indicou que o auxílio concedido aos bancos tem surtido efeito.

Geithner disse ainda que os bancos que receberam injeção de capital já pagaram mais de 70 bilhões de dólares, o que reduziu o investimento total do governo no plano para 180 bilhões de dólares. Ele estima que outros 50 bilhões de dólares devem ser pagos nos próximos 12 a 18 meses.

"Ainda temos um longo caminho pela frente até atingir um estado real de recuperação", afirmou Geithner, acrescentando que será necessário manter as medidas de estímulo enquanto for preciso para garantir um crescimento sólido.

O programa foi criado há um ano para evitar saques em meio ao pânico após a quebra de um importante fundo.

Geithner avaliou que a economia está agora voltando do precipício em que caiu no momento em que o governo Obama tomou posse, em janeiro, embora a recuperação deva ser gradual, na melhor das hipóteses.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host