! Índice renova máxima em 2009 com ajuda de Vale e NY - 14/09/2009 - Reuters - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

14/09/2009 - 17h41

Índice renova máxima em 2009 com ajuda de Vale e NY

Por Paula Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Não teve força a realização de lucros da abertura e a bolsa de valores brasileira fechou o primeiro pregão da semana com o seu principal índice em alta, renovando a máxima do ano e aproximando-se ainda mais dos níveis de julho de 2008.

A reversão das perdas foi puxada principalmente pelos ganhos das ações da Vale, embora Petrobras também tenha ajudado, assim como a melhora em Wall Street à tarde.

O Ibovespa fechou em alta de 0,86 por cento, aos 58.867 pontos --maior patamar desde 31 de julho de 2008 (59.505 pontos). Na mínima, o índice chegou a cair 1,05 por cento, a 57.753 pontos. O volume financeiro do pregão totalizou 4 bilhões de reais.

O embate comercial entre China e Estados Unidos gerou desconforto nas praças globais e serviu como pretexto para vendas desde cedo, contaminando a abertura do pregão brasileiro.

Após Washington impor tarifas adicionais para pneus importados da China, Pequim reagiu, abrindo investigação de antidumping sobre produtos à base de frango e veículos norte-americanos e pedindo consulta junto à Organização Mundial do Comércio (OMC).

A apreensão do mercado é que a China possa adotar medidas retaliatórias em outros setores.

No final da manhã, contudo, o Ibovespa descolou-se de seus pares norte-americanos e passou a registrar ganhos, ajudado pela recuperação das blue chips Petrobras e Vale, que abandonaram o território negativo, mesmo com o petróleo e os metais em queda no exterior.

No fechamento da sessão, Vale acelerou os ganhos e a preferencial terminou em alta de 1 por cento, a 34,49 reais; enquanto a preferencial da estatal, que chegou a voltar ao campo negativo, encerrou com valorização de 0,30 por cento, a 33,24 reais.

No meio da tarde, os principais índices em Nova York firmaram trajetória ascendente, o que fortaleceu o índice brasileiro. No fechamento, o Dow Jones subiu 0,22 por cento e o S&P 500 aumentou 0,63 por cento.

"O fluxo para a bolsa local é grande e quando os preços das ações caem um pouco, logo entra comprador", explicou o sócio da MH Advisors, Marcelo Chakmati.

"As baixas taxas de juros no mundo todo e a melhora do cenário continuam ajudando muito as bolsas, principalmente a brasileira, uma vez que o país tem atravessado bem a crise até o momento", acrescentou.

Apesar dos ganhos, o estrategista de renda variável para pessoa física da corretora Santander Real, Maurício Ceará, ponderou que o dia foi fraco, sem dados econômicos importantes, com as operações restritas a giro e estrangeiros ausentes dos negócios. "Nada que justifique uma alta consistente."

Um experiente gerente de renda variável de uma corretora no Rio, que preferiu não ser identificado, concorda com a assertiva do colega do Santander. "Não houve nada de novo que justificasse a 'puxada'. Como o mercado está muito pequeno, fica fácil uma mudança de direção como a que ocorreu."

As ações da Oi permaneciam entre os destaques de alta, dando continuidade ao movimento da semana passada, na esteira da oferta de compra da Vivendi pela GVT, sob a avaliação de que os papéis da Oi estariam defasados em relação aos seus pares.

O papel ordinário valorizou-se 3,07 por cento, a 39,33 reais, enquanto a preferencial avançou 2,95 por cento, a 32,77 reais.

O maior ganho do Ibovespa, contudo, foi apurado por Aracruz, com elevação de 5,04 por cento, a 3,96 reais, seguida por Gafisa, com apreciação de 3,82 por cento, a 28,30 reais.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host