! Ibovespa supera 61 mil pontos por commodities - 22/09/2009 - Reuters - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

22/09/2009 - 17h55

Ibovespa supera 61 mil pontos por commodities

Por Aluísio Alves e Paula Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Um repique das commodities e a elevação do rating soberano do Brasil mantiveram o entusiasmo dos investidores na bolsa paulista, que alcançou nesta terça-feira nova máxima desde julho de 2008.

O Ibovespa fechou em alta de 0,93 por cento, aos 61.493 pontos --maior patamar desde 16 de julho do ano passado. O volume financeiro do pregão somou 5,85 bilhões de reais.

No final da tarde, a agência de classificação de risco Moody's elevou o rating do país de "Ba1" para "Baa3", com perspectiva positiva, alinhando-se a Standard & Poor's e Fitch Ratings, que já haviam colocado o Brasil em grau de investimento.

O anúncio chegou a acelerar os ganhos do Ibovespa, mas o efeito foi fugaz.

"Na prática, a Moody's estava defasada, o que não mudaria nada. Mas, neste momento de euforia (dos mercados), tudo ajuda", disse Felipe Brandão, especialista em mercados emergentes na corretora Icap, em São Paulo.

Na visão do analista, a notícia pode ajudar no fluxo de recursos para o país. "Mas ele já estava vindo de qualquer maneira antes", ponderou, acrescentando que isso não deve gerar uma variação muito forte nos ativos locais.

O anúncio da Moody's apenas endossou o atual quadro positivo para os ativos locais, tendo em vista a perspectiva de recuperação global.

A alta nos preços de commodities ajudou a sustentar a alta do pregão local. O índice Reuters-Jefferies subia 1,9 por cento no final da tarde.

As ações da Petrobras foram beneficiadas pelo avanço do petróleo, encerrando com alta de 0,66 por cento, a 34,83 reais.

Foi o setor de mineração, contudo, o que deu mais força ao Ibovespa pelo segundo dia seguido.

A blue chip Vale teve uma participação importante no movimento do dia, com a preferencial subindo 2,55 por cento, a 37,02 reais, e a ordinária registrando ganho de 2,68 por cento, a 41,77 reais.

A MMX foi a que mais brilhou, ao disparar 6,53 por cento, para 10,60 reais. Além da escalada das matérias-primas, os negócios com as ações também refletiram declarações do presidente da companhia, Eike Batista, reiterando o interesse em entrar no bloco de controle da Vale.

As siderúrgicas também se destacaram, sob liderança de Usiminas, cuja ação preferencial subiu 1,19 por cento, a 47,62 reais.

Em relatório, a Bradesco Corretora reiterou recomendação "acima da média do mercado" para as ações da siderúrgica, com base nas perspectivas de que os resultados do terceiro trimestre apontem recuperação.

Do lado negativo, Tim Participações, que teve a recomendação reduzida pelo Bank of America Merrill Lynch após um rali de 16 por cento no mês, recuou 1,53 por cento, a 4,52 reais.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host