! Meirelles entra no PMDB e fala em continuidade no BC - 30/09/2009 - Reuters - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

30/09/2009 - 14h46

Meirelles entra no PMDB e fala em continuidade no BC

Por Fernando Exman

GOIÂNIA (Reuters) - Recebido na capital de seu Estado natal em clima de comício, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, formalizou nesta quarta-feira a filiação ao PMDB e procurou afastar a possibilidade de futura ingerência política em sua atuação à frente do banco.

Apesar de o ato elevar as expectativas de uma eventual candidatura de Meirelles nas eleições de 2010, o presidente do Banco Central reafirmou que ainda não decidiu se disputará algum cargo eletivo.

Ele ressaltou que continuará focado em seu trabalho à frente do BC pelo menos até março do ano que vem, quando vai tirar uma licença para tomar a decisão. "Em março, tiro 15 dias de licença para me dedicar a esse assunto", disse.

Meirelles assegurou também que, se deixar o comando do banco, o rumo da instituição e a manutenção da estabilidade econômica terão a garantia do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Não sou candidato a nada neste momento", disse Meirelles a jornalistas ao desembarcar no aeroporto de Goiânia.

"Vou continuar 100 por cento focado no BC até pelo menos março de 2010... Não vou participar da política partidária com certeza até março de 2010", garantiu.

Chegando ao diretório regional do partido, Meirelles foi recebido por líderes e militantes do PMDB goiano ao som de rojões.

A filiação do presidente do BC ao partido foi antecipada pela Reuters na semana passada.

GARANTIAS AO MERCADO

Meirelles também descartou que sua entrada no PMDB influencie expectativas do mercado.

"O presidente Lula certamente tem compromisso com a estabilidade", argumentou.

"Se em algum momento eu sair do Banco Central... tenho hoje segurança que o presidente (Lula), em respeito à população, sempre tem o compromisso com a estabilidade econômica, qualquer que seja a pessoa que venha a ser nomeada para o Banco Central."

Ao mercado financeiro, ele reafirmou o compromisso do BC com a política econômica.

"O recado é que o Banco Central tem um compromisso realmente inequívoco com as metas de inflação, e o meu compromisso com as metas de inflação e com a estabilidade econômica e o sistema de câmbio flutuante continuará absolutamente inabalável", afirmou.

"Enquanto eu estiver no Banco Central, o Banco Central manterá o mesmo tipo de desempenho que tem mostrado até agora."

Dizendo que Iris Rezende, prefeito de Goiânia e principal líder do PMDB de Goiás, é o candidato natural do partido ao governo do Estado, Meirelles descartou concorrer à vaga.

"Isso seria incompatível com o pleno exercício do meu mandato de presidente do Banco Central até pelo menos abril", destacou. "Portanto, com a decisão de que é incompatível uma candidatura a governador com o pleno exercício do meu mandato no Banco Central, eu decidi optar em ficar no Banco Central e não me candidatar a governador."

No entanto, desconversou quando perguntado se poderia entrar na corrida por uma cadeira no Senado ou pela vice-presidência na chapa a ser liderada pela ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff.

Segundo ele, não é possível assumir nenhuma candidatura agora. "Em nenhum momento pode haver qualquer distração na condução dos assuntos econômicos brasileiros", disse.

DISCURSO SOBRE EMPREGOS

A direção do PMDB goiano fez questão de promover a cerimônia na sede do diretório estadual. Um pequeno palanque foi armado na garagem do sobrado para abrigar Meirelles e os demais líderes regionais da sigla. A praça em frente à casa recebeu serviço de limpeza e jardinagem da prefeitura logo pela manhã.

Em discurso feito antes de assinar a ficha de filiação, Meirelles procurou elogiar a sigla que o recebeu.

"O meu projeto hoje aqui é me tornar mais um membro do partido, somar, compartilhar minha visão. Amanhã vamos continuar trabalhando", disse no evento.

Mas também dirigiu palavras a potenciais eleitores. Mesmo sem ser candidato, não deixou de mencionar um item caro ao trabalhador: a manutenção do emprego.

"A criação de empregos mostra a capacidade do Brasil de crescer. É resultado de uma política econômica responsável. Isso não é resultado de mágica, é resultado de decisões de coragem, de seriedade e que levam em conta o interesse do país", afirmou.

"O meu compromisso hoje com o povo brasileiro e o povo de Goiás é continuar no Banco Central direcionando a política monetária, a política econômica e a política cambial no sentido de que o Brasil continue a crescer e de que Goiás continue a crescer."

Antes, a jornalistas, Meirelles afirmou que continua engajado no combate aos efeitos da crise financeira global. "O Brasil precisa continuar sua rota de crescimento sustentável na saída da crise... É muito importante que o gerenciamento da saída da crise seja perfeito para evitar recaídas."

Meirelles, natural de Anápolis (GO), venceu a eleição para a Câmara dos Deputados pelo PSDB goiano em 2002, mas renunciou ao mandato para ocupar a presidência do BC a convite de Lula.

Estavam presentes ao ato de filiação Iris Rezende e Maguito Vilela, prefeito de Aparecida de Goiânia, ex-senador e ex-governador do Estado. O presidente licenciado do PMDB, deputado Michel Temer, não compareceu.

Meirelles deve embarcar nesta quarta-feira para Copenhague, na Dinamarca, onde se junta à comitiva do presidente Lula para o anúncio da cidade-sede das Olimpíadas 2016, em que o Rio de Janeiro é favorito.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host