! Mercado melhor pode permitir alta do minério da Vale em 2010 - 06/10/2009 - Reuters - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

06/10/2009 - 16h39

Mercado melhor pode permitir alta do minério da Vale em 2010

Por Denise Luna

RIO (Reuters) - A Vale deve fechar este ano com vendas de minério de ferro em torno de 220 milhões de toneladas, mas vai recuperar o patamar de 300 milhões de toneladas em 2010, ano em que poderá voltar a aumentar preços, avaliou Pedro Galdi, da corretora SLW.

Em 2008, a produção da Vale atingiu 293 milhões de toneladas.

Segundo relatório divulgado pela SLW nesta terça-feira, em reunião com a Vale na semana passada a empresa passou bastante otimismo com a recuperação do mercado para seus produtos, principalmente o minério de ferro, principal produto da companhia e um dos mais afetados pela crise econômica devido à redução de atividade das siderúrgicas.

"Fazia tempo que a gente não via eles (diretores da Vale) otimistas, voltou a expressão de confiança", disse Galdi à Reuters nesta terça-feira.

Nesta terça-feira, o diretor finaceiro da companhia, Fábio Barbosa, também levou um panorama otimista aos consultores e analistas filiados à Câmara Britânica de Comércio e Indústria no Brasil.

Em palestra fechada à imprensa, Barbosa se disse otimista no médio e longo prazo e afirmou que as vendas no Brasil já estão em 70 por cento do que eram antes da crise, informaram pessoas que participaram do evento.

Segundo as fontes, que pediram anonimato, o diretor disse que na Europa a recuperação ainda engatinha, com vendas correspondendo a 32 por cento do total de antes da crise, mas que estaria sendo observado na região um processo de desestocagem.

Ainda de acordo com estas pessoas, Barbosa teria informado que as exportações da companhia subiram 43 por cento no terceiro trimestre deste ano em relação a igual período do ano passado e que a recuperação do mercado favorece a Vale, que antes da crise iniciou vários programas de expansão de produção.

Os projetos de expansão da produção de minério de ferro em andamento da Vale poderiam colocar mais 150 milhões de toneladas no mercado quando concluídos, informou Barbosa aos analistas sem precisar.

Na saída do evento, Barbosa disse a jornalistas que a recuperação de demanda está sendo observada no mundo inteiro.

"O que nós estamos observando é que nos dados de julho das siderúrgicas há um crescimento de produção em vários países de forma global, e China não é exceção...na Europa e EUA alguma coisa (de recuperação), e no Brasil a operação também é forte", disse rapidamente o executivo.

AUMENTO 2010

Segundo Galdi, a recuperação de mercado que está sendo observada pela Vale poderá levar a companhia a pleitear aumento de preço para o minério de ferro em 2010, depois de ter amargado redução entre 28,2 e 44,5 por cento com alguns dos seus clientes este ano. Na China, a empresa não fechou acordos definitivos e continua vendendo parte da produção no mercado 'spot'.

"Existe um movimento das siderúrgicas de religarem os equipamentos que desligaram na crise, com isso a Vale volta a atingir a capacidade de 300 milhões de toneladas no ano que vem e poderá aumentar preços", avaliou Galdi.

Segundo a Secretaria do Comércio Exterior, em setembro as exportações de minério subiram para 28 milhões de toneladas, aumento de 21 por cento sobre o volume realizado em agosto deste ano.

Com a recuperação dos mercados, a tendência é que a China perca o posto de maior compradora da Vale, previu Galdi. Nesta terça-feira, a Vale fechou acordo para venda de pelotas na Arábia Saudita, pelo prazo de 10 anos. O volume é pequeno mas segundo Galdi indica o início da volta de algumas usinas.

"Com a volta dos outros clientes a China deve cair para 48/50 por cento das vendas da Vale", disse o analista. No primeiro semestre, o país asiático representou mais de 60 por cento das vendas.

No relatório da corretora, Galdi afirmou que a Vale se mostrou mais otimista com o minério de ferro do que com outras atividades. "A empresa destacou a qualidade de seus ativos, principalmente Carajás, detendo atualmente reservas provadas de 14,3 bilhões de toneladas de minério de ferro", destacou.

O níquel também deu sinais de recuperação com consequente aumento de preços, com os principais consumidores deste metal --produtores de aço inoxidável-- retomando gradativamente a produção, observou o relatório da SLW.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host