! Uso da capacidade e emprego na indústria sobem em agosto - 07/10/2009 - Reuters - Economia
UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

07/10/2009 - 12h16

Uso da capacidade e emprego na indústria sobem em agosto

BRASÍLIA (Reuters) - O uso da capacidade instalada na indústria brasileira aumentou pelo segundo mês consecutivo em agosto e o emprego teve a primeira alta desde setembro de 2008, mostraram dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta quarta-feira.

"A sequência de resultados favoráveis desses últimos meses já mostra que a indústria, alavancada pelo consumo interno, segue uma trajetória de recuperação que vem se fortalecendo nesses últimos meses", afirmou a jornalistas o economista-chefe da CNI, Flávio Castelo Branco.

O uso da capacidade instalada da indústria, indicador que aponta a capacidade das fábricas de responder a um aumento de demanda sem gerar pressão inflacionária, subiu a 80,1 por cento em agosto, frente a 79,9 por cento em julho e 79,6 por cento em junho.

O indicador "trilha uma trajetória de recuperação na medida em que a atividade industrial segue um ritmo mais forte de crescimento", destacou a CNI em nota.

Na comparação com 2008, no entanto, a ociosidade do parque industrial permanece elevada. Em agosto do ano passado, o uso da capacidade instalada no setor estava em 82,7 por cento.

O faturamento na indústria cresceu 1,0 por cento frente a julho e o emprego teve alta de 0,7 por cento no mesmo período, a primeira elevação em 10 meses.

Para a CNI, o dado do emprego mostra que o ajuste no mercado de trabalho da indústria, desencadeado pela crise global, "chegou ao fim".

"Nossa expectativa é de que o emprego agora seguirá em alta, mas não é possível dizer isso com certeza", acrescentou Castelo Branco.

Na comparação com 2008, as vendas industriais caíram 3,6 por cento e o emprego, 4,5 por cento.

As horas trabalhadas na indústria ainda não acompanharam a retomada das contratações e permaneceram em queda, mesmo na comparação mensal. A retração em agosto foi de 0,2 por cento frente a julho e de 9,9 por cento na comparação com o mesmo mês de 2008.

Castelo Branco afirmou que esse descasamento surpreendeu, uma vez que normalmente as empresas aumentam as horas trabalhadas dos funcionários antes de promover novas contratações.

(Reportagem de Isabel Versiani)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host