UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

12/10/2009 - 11h53

Questão nuclear faz Londres cortar relações com empresas do Irã

Por Keith Weir

LONDRES (Reuters) - O reino Unido congelou na segunda-feira seus negócios com um banco e com uma empresa estatal de navegação do Irã, citando temores de que essas firmas estejam envolvidas no programa nuclear iraniano.

O Irã minimizou essa decisão e também um alerta dos EUA de que as grandes potências não esperarão para sempre até que Teerã prove que não está desenvolvendo armas nucleares. Segundo a República Islâmica, que alega ter apenas intenções pacíficas no seu programa atômico, ameaças e prazos não terão qualquer impacto.

A decisão britânica afeta o banco Mellat e as Linhas de Navegação da República Islâmica do Irã, empresas que já haviam sido submetidas a sanções dos EUA.

Londres baseou essas medidas nas suas leis de combate ao terrorismo, e não nas sanções da ONU. Em nota enviada ao Parlamento, a ministra Sarah McCarthy-Fry disse que o Tesouro britânico está convencido de que "a atividade no Irã que facilita o desenvolvimento ou produção de armas nucleares constitui um risco significativo para os interesses nacionais do Reino Unido."

No domingo, o chanceler David Miliband e sua colega norte-americana, Hillary Clinton, haviam feito críticas ao Irã numa entrevista coletiva em Londres, apesar de Teerã ter recentemente aceitado inspeções internacionais na sua nova fábrica de enriquecimento de urânio na cidade de Qom.

A ONU já impôs três rodadas de sanções ao Irã para pressionar o país a abandonar seu programa de enriquecimento de urânio. Teerã afirma que essa atividade se destina exclusivamente à geração de eletricidade com fins civis, e afirma que não abrirá mão do seu direito à energia nuclear.

"Se o governo britânico decidiu impor sanções contra o Irã, isso irá demonstrar que a Grã-Bretanha está se afastando das realidades do mundo atual, e tal tendência será contra os interesses do povo britânico," disse à Reuters Ali Akbar Javanfekr, consultor de mídia do presidente Mahmoud Ahmadinejad.

A relação econômica da Grã-Bretanha com o Irã é limitada, e as autoridades do Tesouro não forneceram detalhes específicos sobre negócios com as duas empresas punidas.

A estatal de navegação tem uma frota de cerca de cem embarcações, inclusive navios cargueiros e graneleiros, segundo o site da empresa.

A nota britânica acusou-a de "transportar produtos para programas de mísseis e nuclear"

"De forma similar, o banco Mellat forneceu serviços bancários a uma organização listada pela ONU como tendo relações com atividades de proliferação (nuclear) do Irã, e se envolveu em transações relacionadas ao financiamento do programa nuclear e de mísseis balísticos do Irã," disse a nota.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host