UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/11/2009 - 20h48

Agnelli diz não se arrepender por decisões tomadas durante crise

Por Marcelo Teixeira

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente-executivo da mineradora Vale, Roger Agnelli, afirmou nesta segunda-feira que não se arrepende das decisões que teve que tomar na empresa durante a crise, como cortes em investimentos e adiamentos de projetos, que desagradaram o governo federal e abriram uma crise no relacionamento entre a empresa e a Presidência da República.

Questionado por participantes de um seminário sobre governança corporativa sobre como foi a gestão da companhia no auge da crise econômica global, Agnelli afirmou que os ajustes foram necessários.

"A empresa entrou na crise capitalizada, graças a Deus, mas teve que ajustar a velocidade do crescimento e tomou porrada por isso. Mas tínhamos a visão do que era necessário fazer. Não nos arrependemos", disse o executivo.

"Pode ter havido boatos, fofocas, mas o que vale são os fatos. A empresa está bem, a empresa está forte", acrescentou.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez críticas públicas a algumas decisões tomadas pela mineradora, como demissões e paralisações de investimentos, durante a crise. Lula queria maior iniciativa da companhia em áreas como siderurgia.

A tensão se dissipou parcialmente com a divulgação, recentemente, do novo plano de investimentos da mineradora para 2010, que mostrou elevação dos gastos.

Durante o debate no evento, Agnelli também foi questionado se a Vale poderia obter o progresso que obteve se continuasse sob controle do Estado.

"Acho que seria muito difícil, principalmente pela cultura corporativa. É muito mais difícil mudar a cultura em uma companhia estatal", disse.

Em rápida conversa com jornalistas ao final da apresentação, Agnelli afirmou esperar por uma negociação mais favorável sobre preços de minério para o próximo ano, já que o mercado está em recuperação, mas evitou falar em números.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host