UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/11/2009 - 15h43

Petrobras busca refinarias para excedente de produção do pré-sal

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras está revisando o estudo de expansão da refinaria de Pasadena, no Texas, depois que adquiriu parte de sua antiga sócia no ativo.

De acordo com o diretor da Área Internacional da Petrobras, Jorge Zelada, a refinaria já está operando com uma confiabilidade mais próxima do padrão da companhia e ainda não há decisão sobre o aumento de produção da unidade.

"Estamos fazendo um estudo de engenharia mais completo e um relatório deve apontar o que fazer com Pasadena" disse Zelada a jornalistas após palestra durante o seminário Global Energy, no Rio de Janeiro.

Zelada explicou que com a descoberta do pré-sal no Brasil, a Petrobras terá um excedente de produção em relação ao refino mesmo com a construção das novas refinarias já anunciadas.

No plano estratégico 2009-2013, a previsão é de que sejam construídas mais cinco refinarias no país.

Apesar disso, Zelada afirmou que será necessário refinar o petróleo do pré-sal no exterior no futuro.

"Pode ser que a curva de produção do pré-sal ultrapasse a capacidade do Brasil, e pode ser refinado no exterior", afirmou o diretor, explicando que a Petrobras poderá fazer tanto associações com outras empresas como contratar capacidade de refino ou adquirir unidades.

O diretor também informou que a comapanhia vai buscar oportunidades na área de Gás Natural Liquefeito (GNL) para dar maior flexibilidade para a produção interna de GNL.

"É um foco da Petrobras buscar projetos nessa área. Se a Petrobras for exportadora (de GNL), teremos de ter uma regaseificadora lá fora", disse o executivo.

O diretor não endossou informações sobre a descoberta de mais de um TFC (trilhão de pés cúbicos) de gás natural no Peru conforme foi anunciado pelo presidente Alan García, afirmando que ainda não foram feitos testes suficientes para avaliar o volume do campo.

"Não fizemos os testes ainda para saber, só depois da primeira avaliação, que leva uns 45 dias, poderemos saber o volume. Pode ser um campo que não possa produzir."

(Reportagem de Denise Luna; Edição de Marcelo Teixeira)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host