UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/11/2009 - 16h12

Déficit externo sobe; investimento em carteira é recorde

BRASÍLIA (Reuters) - O déficit em transações correntes do Brasil aumentou em outubro, em meio à recuperação da economia, enquanto os investimentos externos em carteira atingiram novo recorde apesar da incidência de IOF a partir de meados do mês.

Segundo dados do Banco Central divulgados nesta terça-feira, o país registrou em outubro déficit em conta corrente de 2,911 bilhões de dólares, ante saldo negativo de 1,239 bilhão de dólares um ano atrás.

Em 12 meses até outubro, o déficit em transações correntes correspondeu a 1,32 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), frente a déficit de 1,23 por cento do PIB em 12 meses até setembro.

"Esse aumento do déficit em transações correntes está associado naturalmente ao crescimento da atividade econômica, ao aumento da renda, que implica elevação da demanda por bens e serviços externos tanto para a área produtiva quanto para consumo", afirmou a jornalistas o chefe-adjunto do Departamento Econômico do BC, Túlio Maciel, ressaltando que também houve uma redução do superávit comercial.

"As condições de financiamento desse déficit são muito favoráveis", acrescentou. "Nós temos um fluxo de recursos externos tanto de investimento estrangeiro direto quanto de investimento em carteira muito positivo neste momento."

Os dados mostraram uma queda nos investimentos estrangeiros diretos no país em comparação ao ano anterior, para 1,563 bilhão de dólares em outubro, ante 3,913 bilhões de dólares em 2008.

Mas os investimentos estrangeiros em carteira foram de 17,119 bilhões de dólares em outubro, recorde da série histórica do BC.

Esse resultado foi influenciado pelo lançamento de units do Santander Brasil, mas Maciel ressaltou que boa parte dos ingressos também refletiu "a atratividade dos ativos brasileiros neste momento da economia".

IOF

Maciel afirmou ainda que é "prematuro" avaliar o impacto da cobrança de 2 por cento de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre o capital externo para ações e renda fixa sobre o fluxo de investimentos em carteira.

A medida foi anunciada no dia 19, com validade a partir de 20 de outubro.

As remessas de lucros e dividendos somaram 1,895 bilhão de dólares em outubro, frente a 1,813 bilhão de dólares em outubro de 2008.

No acumulado do ano até outubro, os investimentos estrangeiros diretos alcançam 19,254 bilhões de dólares, ante 34,768 bilhões de dólares em igual período do ano passado.

(Por Isabel Versiani e Ana Nicolaci da Costa; Texto de Daniela Machado)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host