UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/11/2009 - 13h40

Unica defende mistura atual de álcool, apesar de produção menor

* Produção de etanol está mais de 1 bi litros menor

* Usinas aumentam volume de açúcar, que remunera melhor

Por Marcelo Teixeira

SÃO PAULO (Reuters) - A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) defendeu nesta terça-feira a manutenção da mistura atual de 25 por cento de etanol na gasolina, opondo-se a ideias de alguns setores do governo sobre uma possível redução da mistura para evitar novas altas do biocombustível no mercado.

"A Unica entende que a produção de etanol anidro continua em patamares suficientes para garantir o nível de mistura de 25 por cento na gasolina, não havendo qualquer necessidade de alteração...", disse a entidade em nota que acompanhou relatório sobre o processamento da safra 2009/10.

"Já as variações nos preços do etanol hidratado observadas nas últimas semanas são oscilações sazonais, causadas principalmente pelo impacto das chuvas sobre o desempenho da safra desde junho. O próprio mercado já vem reagindo à situação, ajustando a demanda pelo etanol hidratado", acrescentou a entidade.

O álcool anidro é aquele misturado à gasolina, enquanto o hidratado é o utilizado pelos veículos flex.

Apesar de a entidade chamar a atenção para o efeito das chuvas, que realmente reduziram a produtividade da cana, a oferta menor de etanol no mercado ocorre pelo aumento da produção de açúcar, que registra preços bem melhores no mercado internacional neste ano.

A produção de açúcar no centro-sul subiu 10 por cento até agora na comparação com o ano passado, enquanto a de álcool (anidro mais hidratado) registra recuo de 5,5 por cento.

A eventual redução da mistura de álcool na gasolina divide o governo. O Ministério da Agricultura é contra, enquanto a ANP (Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) avalia que seria uma medida positiva para atenuar o aumento dos preços do combustível renovável.

Mas as elevações nos preços do álcool têm provocado queda nas vendas, já que proprietários de veículos flex mudam para gasolina quando isso passa a ser mais compensador.

As vendas de etanol hidratado, usado nos flex, caíram 14,5 por cento na primeira quinzena de novembro, em comparação a igual período de outubro.

Do início da safra até o final de setembro, o crescimento das vendas de etanol hidratado para o mercado doméstico estava em 23,5 por cento. Em outubro, esse crescimento já havia caído para 17,7 por cento e ao final da primeira quinzena de novembro chegou a apenas 13,5 por cento, de acordo com a Unica.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host