UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/11/2009 - 18h54

Impasse continua e votações sobre pré-sal são adiadas

BRASÍLIA (Reuters) - As votações dos projetos que alteram o marco regulatório do petróleo no Brasil foram novamente adiadas nesta quarta-feira na Câmara dos Deputados, depois que deputados de diferentes Estados entraram em conflito sobre a divisão dos royalties que serão recolhidos no futuro e também sobre quais áreas serão abrangidas pelo novo sistema.

Em determinado momento das discussões, deputados que representam os Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, os principais produtores e maiores beneficiados atualmente pelo recolhimento de royalties, obstruíram as votações combatendo propostas que ampliam a distribuição deste tipo de recolhimento.

Com o plenário em clima de guerra, o presidente da Casa, Michel Temer (PMDB-SP), anunciou o adiamento até que seja possível alcançar algum consenso.

"A presidência não levará a voto os projetos até que se harmonizem e se compatibilizem os interesses de todos os brasileiros", disse Temer ao plenário.

"Vamos buscar até a próxima semana um entendimento com governo, Estados e municípios", acrescentou.

Mesmo o Executivo, que tem pressa em passar as medidas, concordou com a atitude de Temer, em face da situação na Câmara, como afirmou o líder do governo Henrique Fontana

(PT-RS).

"Não tem clima para votar nada nesta semana", acrescentou o deputado Ciro Gomes (PSB-CE), um dos articuladores para se chegar a um entendimento e aprovar os projetos.

É o projeto de lei que institui o sistema de partilha de produção de petróleo no Brasil que criou o conflito, já que também define a distribuição dos royalties cobrados das petroleiras.

Atualmente, apenas os Estados e municípios produtores e com instalações petroleiras recebem diretamente fatias dos royalties, além da União. O projeto propõe que todos os Estados e municípios passem a receber, em diferentes proporções.

Representantes de produtores e não-produtores brigam para conseguir as maiores fatias possíveis.

Além disso, nessa semana duas novas propostas deixaram furiosos políticos como o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), aliado do presidente Lula.

Uma delas, da bancada do Nordeste, pedia que a eventual nova distribuição dos royalties fosse estendida às áreas já licitadas do pré-sal, que ficarão sob o sistema antigo de concessão.

Outra proposta, do deputado Ibsen Pinheiro (PMDB-RS), foi além, ao requisitar que a nova divisão se aplique também sobre o regime de concessão.

Cabral disse que os deputados estariam querendo "roubar" o Rio de Janeiro.

SABIA QUE SERIA DIFÍCIL

O presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), já havia informado mais cedo que a meta de votar nessa semana ao menos a proposta que institui o regime de partilha no setor de petróleo dificilmente seria atingida.

Além da partilha, também está na fila o projeto de lei da capitalização da Petrobras e o da criação do Fundo Social com recursos do pré-sal.

Quando negociou com o presidente Lula a retirada do regime de urgência para os projetos, Temer prometeu que colocaria todos em votação até 10 de novembro, ou seja, o tempo está se esvaindo e as matérias não avançam, com exceção do projeto que cria a Petro-Sal, já aprovado.

O governo pretende que o novo marco regulatório esteja aprovado até o primeiro trimestre do ano que vem, lembrando que ainda é preciso passar pelo Senado.

Pelo menos com relação à inclusão das áreas já licitadas na nova divisão de royalties parece que haverá consenso em que isso não ocorra.

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou a jornalistas nesta quarta-feira que o governo é contra a proposta, ou seja, o que já foi licitado fica como está, tanto com relação ao regime de produção (concessão) como sobre a divisão dos royalties.

(Por Natuza Nery; Texto de Marcelo Teixeira; Edição de Carmen Munari)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host