UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

29/11/2009 - 13h53

Zona do euro descarta mudança rápida do iuan

Por Simon Rabinovitch e Chris Buckley

NANJING, China (Reuters) - As principais autoridades econômicas da zona do euro pressionaram a China neste domingo para que o país deixe o iuan se valorizar, mas ressaltaram não estarem contando com resultados imediatos.

"Eu não posso dizer que eu esteja mais otimista do que antes de vir aqui", disse o primeiro-ministro de Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, que preside o Eurogroup, de ministros das Finanças da zona do euro, em entrevista coletiva na China.

Os comentários foram feitos um dia após conversas com autoridades chinesas, como o primeiro-ministro, Wen Jiabao.

Ele disse ainda ser difícil justificar a recente depreciação do iuan ante uma cesta de moedas, devido ao forte crescimento da China e aos superávits externos.

"As pessoas acreditam que uma apreciação gradual e ordenada do iuan é de interesse da China e de interesse da economia mundial", acrescentou Juncker.

"Não estamos defendento uma mudança imediata, dramática ou de curto prazo na política monetária da China, mas uma apreciação ordenada e gradual."

Joaquin Almunia, comissário da UE para assuntos econômicos e monetários, disse que as autoridades chinesas acreditam que um iuan mais forte seria parte da estratégia de retirada das políticas de estímulo ao crescimento adotadas há um ano.

"Um dos elementos dessa estratégia de retirada, de acordo com nossos colegas chineses, é retomar o regime de câmbio do iuan que foi concordado em julho de 2005", disse Almunia.

O iuan subiu 21 por cento ante o dólar nos três anos depois de Pequim encerrar o regime de fixação com o dólar em julho de 2005. Em julho passado, no entanto, a China voltou ao sistema, atrelando o iuan a uma taxa de 6,83 por dólar para ajudar seus exportadores.

As reuniões deste domingo são similares a uma missão de 2007 e ocorrem antes de uma cúpula regular entre a China e a União Europeia.

O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, disse neste domingo que a relação do iuan com o dólar fraco está criando problemas para alguns setores da economia da Europa.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host