UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

30/11/2009 - 16h08

Meirelles justifica preocupação social em seus discursos

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, procurou justificar nesta segunda-feira comentários que tem feito sobre os indicadores sociais do país, afirmando que a população precisa saber que as conquistas recentes são fruto da estabilidade econômica.

Durante evento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) na semana passada, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, comentou em discurso que o presidente do BC tem falado com mais frequência sobre a questão social. Na visão de Mantega, a atitude seria mais característica de políticos do que de banqueiros.

"A estabilidade alonga horizontes, aumenta o investimento, preserva o poder de compra, a distribuição de renda e aumenta a arrecadação. Falo isso há muito tempo no mundo todo", explicou Meirelles a jornalistas, argumentando que falar sobre as questões sociais "é um convite aos empresários: vamos investir".

O presidente do BC, que ainda não definiu se será candidato nas eleições de 2010, acrescentou que não vê ruído sobre o assunto. "Do meio do ano para cá, fiz 23 palestras e em 16 eu falei no assunto."

Mais cedo, ao participar de um congresso sobre construção civil, Meirelles discursou que o país está "experimentando os dividendos da estabilidade" e é importante que a população saiba o que está por trás das conquistas sociais recentes.

Ao citar a criação de empregos formais no país, o presidente do BC afirmou que a consequência desse quadro é "uma redução da desigualdade de renda".

"Algumas pessoas às vezes brincam comigo 'nossa, o Banco Central agora fala de desigualdade de renda, questões sociais etc'... Eu sempre falei (desses temas), porque é muito importante num país como o Brasil mencionar que a estabilidade econômica não é apenas um índice financeiro teórico, a estabilidade econômica tem efeitos tangíveis para a população", disse.

"Entre 2003 e 2008, 25,9 milhões de pessoas entraram na classe média e 19,4 milhões deixaram a classe baixa. E é muito importante que a população brasileira entenda que isso é resultado direto de uma política econômica bem-sucedida."

(Reportagem de Aluísio Alves e Daniela Machado)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host