UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/01/2010 - 07h50

Camargo Corrêa reitera interesse na Cimpor, avalia opções

LISBOA (Reuters) - A Camargo Corrêa reiterou interesse sério na Cimentos de Portugal e informou que avalia opções após a órgão regulador do mercado acionário português (CMVM) ter determinado que o grupo brasileiro tem que lançar uma oferta concorrente à da Companhia Siderúrgica Nacional ou então retirar sua proposta de fusão com a cimenteira.

"A Camargo Corrêa, tendo tomado conhecimento da decisão divulgada pela CMVM, reitera interesse sério e não oportunístico numa solução que permita otimizar o valor das sinergias e o potencial de crescimento conjunto", afirmou o grupo em comunicado.

A empresa afirmou ainda que sua proposta está baseada "numa lógica industrial sólida e de longo prazo, com a convicção -- que aliás não é recente -- de que essa é uma proposta de valor para os acionistas de ambas as empresas".

"Face à posição divulgada pela CMVM, à qual responderá em devido tempo e pela forma adequada, a Camargo Corrêa está a ponderar as opções ao seu dispor", afirma o grupo.

Na semana passada, a Camargo Corrêa propôs uma fusão com integração das suas operações de cimentos na Cimpor, mas sem oferecer qualquer contrapartida por cada ação da cimenteira líder de Portugal.

A oferta foi uma resposta à proposta de aquisição da Cimpor feita pela CSN, por 3,86 bilhões de euros, lançado há um mês. A proposta da CSN prevê 5,75 euros por ação de Cimpor, mas foi rejeitada pelo conselho de administração da cimenteira portuguesa.

A CMVM deu 10 dias à Camargo Corrêa para adequar sua proposta ao regime das ofertas concorrentes ou retirá-la.

De acordo com o Código de Valores Mobiliários da CMVM, "as ofertas concorrentes não podem incidir sobre quantidade de valores mobiliários inferior àquela que é objeto da oferta inicial".

Pelas regras de Portugal, a contrapartida da oferta concorrente deve ser superior à antecedente em pelo menos 2% do seu valor e não pode conter condições que a tornem menos favorável.

A oferta da CSN está condicionada à empresa obter mais de 50 por cento de participação na Cimpor.

A Cimpor está entre as 10 maiores produtoras de cimento do mundo, com uma capacidade de produção de 36 milhões de toneladas anuais com clinker próprio.

(Por Sérgio Gonçalves, em Lisboa)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host