UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/02/2010 - 16h47

CÂMBIO-Em meio à volatilidade externa, dólar segue ajustes e cai

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caiu pelo segundo dia consecutivo nesta quinta-feira, deixando de lado a influência externa durante a tarde para continuar os ajustes após o feriado do Carnaval.

A moeda norte-americana cedeu 0,55 por cento, a 1,822 real. No dia anterior, o dólar havia desvalorizado-se 1,66 por cento.

A reação à ata da última reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve, responsável pela política de juros dos Estados Unidos, divulgada na véspera, ainda amparava a alta global do dólar nesta manhã.

No documento, o Fed reiterou que já estuda medidas para retirar o estímulo econômico em vigor.

No final da manhã, tal movimento perdeu fôlego, o que levou a divisa norte-americana reverter a alta inicial, que não foi recuperada mesmo após o dólar voltar a se fortalecer no exterior. A cotação se manteve ao redor do patamar de 1,825 real até o final da jornada.

Carlos Allievi Jr., gestor da Infinity Asset, comentou que a queda do dólar no fim da sessão pode ter sido uma continuidade dos ajustes da véspera, quando o dólar cedeu para refletir a forte valorização do euro nos dois dias anteriores.

"Como (ontem) era um pregão um pouco mais curto, pode ter ficado um pouco para hoje", disse.

Segundo dados parciais da clearing (câmara de compensação) da BM&FBovespa, havia mais de 2,5 bilhões de dólares em operações a pouco menos de meia hora do fim da sessão.

Allievi lembrou também que os investidores estrangeiros têm vendido dólares no mercado futuro nas últimas sessões, desfazendo as posições defensivas construídas durante os momentos mais tensos sobre a situação fiscal da Grécia.

No dia 17, os estrangeiros mantinham 5,265 bilhões de dólares em posições compradas em dólar futuro e cupom cambial, ante 7,037 bilhões no dia 9.

Além disso, as commodities subiam com força no fim da tarde. O índice Reuters-Jefferies avançava 0,76 por cento, e o petróleo tinha alta de 1,6 por cento.

Outros dois profissionais de mercado ouvidos pela Reuters comentaram que um eventual ingresso de divisas também pode ter ajudado a manter o dólar em baixa durante a tarde. Operadores de bancos e corretoras, porém, afirmavam que o movimento ao final do dia estava equilibrado.

Dados divulgados pelo Banco Central nesta quinta-feira mostraram que o país registra 526 milhões de dólares em entradas líquidas neste mês, de acordo com dados referentes até o dia 12. Desse montante, 257 milhões de dólares foram comprados pelo BC por meio de leilões.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host