UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

18/02/2010 - 15h04

Obama nomeia comissão contra déficit fiscal

Por Patricia Zengerle

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nomeou nesta quinta-feira uma comissão bipartidária para combater o exorbitante déficit fiscal norte-americano, e prometeu que ela terá uma ampla margem de ação para colocar o país no caminho da responsabilidade fiscal.

"Tudo está em jogo. Assim é que as coisas vão funcionar", disse Obama a jornalistas após nomear o ex-chefe da Casa Civil Erskine Bowles, um democrata, e o ex-senador Alan Simpson, um republicano, para liderar a comissão de 18 membros.

O comentário de Obama sugere que o painel pode ter liberdade para considerar uma proposta de cortes de gastos --que segundo o presidente tornaram-se extravagantes-- e para aumentar os impostos.

Obama tinha prometido durante sua campanha que as famílias com renda inferior a 250 mil dólares não enfrentariam aumento de impostos, mas recentemente ele disse que não tem certeza sobre se elevar impostos à classe média poderia ser considerado pela comissão.

O presidente encarregou a comissão de criar uma estratégia para equilibrar o orçamento, excluindo os pagamentos de juros, dentro de cinco anos.

"Eu estou pedindo que eles produzam recomendações claras sobre como cobrir o custo de todos os programas federais até 2015 e melhorar significantemente o nosso cenário fiscal de longo prazo. Eu tenho total confiança que eles farão isso", disse ele.

Obama disse que está estabelecendo a comissão para estudar opções sobre gastos e taxas após os parlamentares não terem conseguido criar um painel do Congresso sobre o tema.

"No curto prazo, nós vamos tomar medidas para encorajar as empresas a criarem empregos, que continuarão a ser minha prioridade", disse ele antes de assinar a ordem.

"Ainda assim, não há dúvidas de que nós também teremos de lidar com o dilema de longo prazo de um governo que, de forma rotineira e extravagante, gasta mais do que ganha", disse.

A comissão foi classificada como uma maneira de dar cobertura política tanto para Barack Obama quanto para o Congresso, no caso de eles precisarem tomar decisões impopulares, como aumentar impostos, para fechar o orçamento.

Obama reconheceu a dificuldade, mas disse que a tendência precisa ser interrompida.

"Desde os superávits orçamentários do final dos anos 1990, a dívida federal explodiu", disse ele. "A trajetória é clara e perturbadora. Mas a política de lidar com déficits crônicos é repleta de escolhas difíceis."

(Reportagem adicional de Caren Bohan)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host