UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

11/03/2010 - 20h15

S&P 500 tem pico em 17 meses; bancos levantam Wall Street

Por Rodrigo Campos

NOVA YORK (Reuters) - O índice Standard and Poor's 500 fechou no maior patamar em 17 meses nesta quinta-feira, uma vez que um rali nos papéis de bancos no fim do pregão levantou as ações norte-americanas, mais do que ofuscando preocupações de que a China pode tomar medidas para frear o superaquecimento de sua economia.

O Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 0,42 por cento, para 10.611 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 0,40 por cento, para 2.368 pontos. O S&P 500 também ganhou 0,40 por cento, para 1.150 pontos.

As units do setor financeiro pegaram carona nos fortes ganhos dos últimos dias, amparadas em parte pela possibilidade de que novas regras bancárias estudadas pelo Congresso dos EUA possam ser deixadas de lado. O índice de bancos KBW subiu 1,7 por cento, nova máxima em 16 meses.

"Há uma avaliação agora de que a proposta de reforma será diluída e não terá todo o tom estridente pensado inicialmente", disse Quincy Krosby, estrategista de mercado da Prudential Financial, em Newark, Nova Jersey.

Os papéis do Citigroup estiveram entre os de melhor desempenho, em alta de 5,6 por cento, após seu presidente-executivo dizer a investidores que o golpeado banco está "bem posicionado para voltar à lucratividade sustentada".

Wall Street operou perto da estabilidade ao longo da maior parte da sessão. A inflação chinesa alcançou o nível mais alto em 16 meses, dando argumentos para um aperto monetário na terceira maior economia do mundo.

As ações do conglomerado de manufatura 3M caíram 0,4 por cento.

O Nasdaq avançou pelo sexto pregão seguido, igualando a série positiva terminada em 18 de fevereiro. A empresa de varejo online Amazon.com apreciou-se 2,4 por cento e liderou os ganhos no índice, em cuja carteira de companhias de tecnologia possui forte representatividade.

Outras varejistas também registraram consideráveis ganhos um dia antes da divulgação pelo Departamento do Comércio norte-americano das vendas mensais no varejo. O índice S&P para o setor avançou 0,8 por cento.

Do lado macroeconômico, o déficit comercial dos Estados Unidos diminuiu inesperadamente em janeiro, para 37,3 bilhões de dólares, refletindo menores compras de petróleo.

Outro relatório mostrou uma queda de 6 mil pedidos no número de solicitações de auxílio-desemprego na semana passada, para 462 mil. O mercado esperava queda para 460 mil.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host