UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/03/2010 - 12h11

Redução do rating já era esperada, diz ministro português

LISBOA, 24 de março (Reuters) - A redução da nota da dívida soberana de Portugal pela Fitch já era esperada e os mercados já o incorporaram nos preços, disse nesta quarta-feira o ministro das Finanças português, Fernando Teixeira dos Santos.

"Penso que esta decisão da Fitch já era antecipada. Os mercados, em larga medida, já a incorporaram nos preços", afirmou o ministro em entrevista à Reuters Insider após o rebaixamento de Portugal.

Segundo o ministro, a decisão da Fitch "é um forte sinal para os partidos da oposição, para darem um claro sinal de que estão comprometidos" com a correção da situação das finanças públicas de Portugal.

Ele salientou que os maiores partidos da oposição precisam entender esta mensagem, dando aval ao Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC), senão causará "um grande problema".

Na quinta-feira, o Parlamento português vai votar o Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) que prevê cortar o déficit público de 9,3% do PIB em 2009 para 2,8% em 2013, documento que é visto pelos analistas como crucial para a credibilidade do país.

A agência de classificação de risco Fitch cortou o rating de longo prazo de Portugal de "AA" para "AA-", com a redução da credibilidade do país após o considerável choque orçamentário e as fraquezas macroeconômicas e estruturais.

Apoio à Grécia deve vir de países europeus 

Sore a grave situação financeira da Grécia, o ministro disse que os líderes europeus têm de dar um sinal aos mercados que são capazes de tomar uma decisão interna e dar estabilidade à zona do euro.

"Eu preferiria uma solução interna. (...) Acho que devíamos ter uma solução envolvendo todos os países. Precisamos da Alemanha na solução", afirmou, acrescentando que um apoio do Fundo Monetário Internacional (FMI) à Grécia depende das autoridades gregas.

O ministro ressaltou ainda que por vezes os mercados têm uma reação exagerada, adiantando: "os riscos existem, não posso ignorar".

(Reportagem de Axel Bugge e Sérgio Gonçalves)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host