UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/04/2010 - 20h19

SAIBA MAIS-Leilão de Belo Monte marca décadas de polêmica

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Estratégico no asil do presidente Fernando Henrique Cardoso e maior obra do segundo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a usina hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu (PA), pode sair do papel na terça-feira, 20 de abril. Com dois grupos confirmados, o leilão acontecerá em meio a críticas de ambientalistas e investidores. Os primeiros temem o impacto sócio- região, povoada por índios e bastante dependente da pesca. Os segundos reivindicam tarifa-teto maior para o leilão do que os 83 reais o megawatt/hora estipulados pelo governo.

Se bem sucedido, o leilão encerra uma polêmica iniciada na década de 1970, quando foi descoberto o potencial das bacias da região. Pelo projeto inicial, quando era chamado de Kararaô, o reservatório se alagaria por 1.200 quilômetros quadrados na região, que foram reduzidos para 516 quilômetros quadrados no projeto atual.

Belo Monte será a terceira maior usina do mundo em capacidade instalada, atrás apenas de Três Gargantas, na China, com 22,5 mil MW, e da usina binacional de Ipaipu, com 14 mil MW.

Veja a seguir um resumo sobre a obra:

*VALOR ESTIMADO DA CONSTRUÇÃO: R$19 bilhões

*ÁREA ALAGADA: 516 km2

*CAPACIDADE INSTALADA: 11.233,1 MW

*GARANTIA FÍSICA: 4.571 MW médios

*CASAS DE FORÇA: 2 (em Vitória do Xingu, Pará)

*INÍCIO DA PRIMEIRA FASE: 2015

*INÍCIO DA SEGUNDA FASE: 2019

*INTERLIGAÇÃO: 6 linhas de transmissão

(Por Denise Luna)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host