UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

29/04/2010 - 19h14

BOLSA EUA-Wall Street tem rali por balanços e Grécia

Por Edward Krudy

NOVA YORK (Reuters) - As bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam em alta pelo segundo dia seguido nesta quinta-feira, com uma safra de robustos balanços agradando investidores, em meio à redução de temores com a propagação da crise de dívida na Europa, após notícias que a Grécia parece estar próxima de um pacote de ajuda.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 1,10 por cento, para 11.167 pontos, enquanto o Standard & Poor's 500 ganhou 1,29 por cento, para 1.206 pontos. Ambos os índices tiveram a maior apreciação desde 5 de março.

O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 1,63 por cento, para 2.511 pontos, alta mais forte desde 4 de janeiro.

Notícias de que a Grécia está preparando severas medidas de austeridade para garantir um pacote de ajuda multibionário proporcionaram alívio aos mercados, e os setores mais golpeados, como o bancário, recuperaram as recentes perdas.

Dando sequência à safra de balanços corporativos, os resultados da fabricante de celulares Motorola superaram as previsões, e a ação ganhou 3,5 por cento.

A Visa reportou um lucro maior que o esperado e elevou sua perspectiva de receita, alimentando esperanças de uma recuperação no gasto dos consumidores. A ação da companhia, contudo, recuou 0,8 por cento.

"Há uma continuidade dessa luta por causa das preocupações com a dívida soberana na Europa", disse Craig Peckham, estrategista de ações da Jefferies & Company, em Nova York. "Agora, os balanços corporativos estão ganhando a batalha."

Após a forte alta desta semana, o índice de volatilidade Vix, o preferido por Wall Street para medir a volatilidade do mercado, caiu 12,5 por cento, maior queda diária em 14 meses.

Num sinal de que o mercado ainda está cauteloso, o Dow e o S&P 500 se afastaram das máximas da sessão após a agência de classificação de risco Moody's dizer que um rebaixamento da nota grega é possível.

Os papéis da Palm dispararam 26,1 por cento e impulsionaram o Nasdaq, após a Hewlett-Packard concordar em comprar a fabricante de smartphone por 1,2 bilhão de dólares.

As ações da HP caíram 0,8 por cento.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host