UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

06/05/2010 - 20h04

SUMMIT-Itaú BBA: mercado de capitais do Brasil segue forte

Por Aluísio Alves e Elzio Barreto

SÃO PAULO (Reuters) - Os fundamentos do mercado de capitais brasileiro seguem fortes, com destaque para a área de fusões e aquisições, mas o cenário pode se complicar para as ofertas de ações, caso não haja uma solução breve para a crise fiscal na Europa, disse um importante executivo do Itaú BBA nesta quinta-feira.

"Os fundamentos que permitiram o renascimento do mercado de brasileiro continuam presentes", afirmou o vice-presidente e chefe da área de banco de investimentos do Itaú BBA, Jean-Marc Etlin, durante o Reuters Latin American Investment Summit.

Segundo ele, a qualidade das empresas brasileiras que estão buscando recursos por meio da venda de ações é boa e muitas estão preferindo levar as operações adiante, mesmo obtendo preços bastante inferiores aos pretendidos inicialmente, por entenderem que precisam dos recursos agora para crescer.

"Mesmo menores, os volumes ainda são relevantes para o plano de negócios das empresas", disse, apontando atividade mais forte nos setores de infraestrutura, consumo e commodities.

Para Etlin, a manutenção dos planos das companhias para captar com ações pode ser explicada em parte pela combinação de bom desempenho da economia doméstica com o processo de consolidação em vários setores.

Esse cenário foi citado pelo banqueiro como motor do mercado de fusões e aquisições, que segue "relativamente forte", inclusive com o interesse contínuo de investidores estrangeiros por ativos no Brasil.

"A atividade no setor (de fusões e aquisições) é crescente e constante."

Esse cenário mais benigno persiste também nas captações externas com títulos de renda fixa, um dos focos de maior atenção da instituição, que quase triplicou a equipe desde o início de 2008, para cerca de 2,7 mil funcionários, e responde por 35 a 40 por cento dos resultados da holding Itaú Unibanco, incluindo as operações de tesouraria.

A área que mais inspira cuidados no curto prazo é a de ofertas de ações. Para Etlin, o segmento continuará alternando momentos bons e ruins, mas nunca se fechando completamente para empresas brasileiras.

Contudo, um ajuste de expectativas com relação a preços hoje em curso pode se agravar nas operações em andamento, caso uma solução para a crise de dívida soberana na zona do euro demore a aparecer.

"As próximas semanas poderão gerar dificuldades para as operações que estão em curso", disse Etlin.

(Reportagem adicional de Guillermo Parra-Bernal e Vivian Pereira)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host