UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/05/2010 - 15h42

Lula deve vetar aumento de 7,7% a aposentado, diz ministro

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está "propenso a vetar" o reajuste de 7,7 por cento aprovado no Congresso para aposentados e pensionistas que recebem mais de um salário mínimo, afirmou nesta segunda-feira o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo.

"O presidente se mostrou preocupado porque quer manter as contas equilibradas não só neste ano, mas também para entregar a seu sucessor", disse Paulo Bernardo, após reunião de coordenação política entre Lula e ministros. "Por conta disso, ele ficou propenso a vetar... ele não tomou a decisão ainda."

Segundo o ministro, seria importante dar um sinal claro de compromisso fiscal vetando não só a extinção do fator previdenciário, cálculo usado para reduzir o valor dos benefícios de quem se aposenta mais cedo, mas também o índice de reajuste.

"O que nós assumimos o compromisso é dar 6,14 por cento. O projeto que veio do Congresso não nos dá alternativa de vetar os 7,7 (por cento) e voltar aos 6,14 por cento. Então nós estamos estudando."

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, argumentou que o veto seria positivo para "manter a solidez orçamentária" do país.

"O presidente tem que analisar as consequências do ponto de vista político e econômico. Nós (área econômica) estamos respondendo aqui pela questão da sustentabilidade fiscal do governo. É importante deixar as finanças sólidas para o próximo governo", destacou.

Ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha sublinhou que Lula ainda não tomou decisão alguma sobre o tema.

"O presidente não fechou sua ideia, o presidente está buscando outras alternativas. Tudo está em aberto", disse.

Segundo dados do governo, um reajuste de 6,14 por cento custaria 6,7 bilhões de reais à União neste ano. Um aumento de 7 por cento, que chegou a ser negociado entre o Executivo e a base aliada do governo no Congresso, teria um impacto adicional de 1,1 bilhão de reais. Já o aumento de 7,7 por cento geraria mais 600 milhões de reais em despesas para o governo além desse 1,1 bilhão de reais.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host