UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

27/05/2010 - 19h13

Wall St tem rali por comentário da China e Microsoft

Por Chuck Mikolajczak

NOVA YORK (Reuters) - As bolsas de valores dos Estados Unidos encerraram com expressiva valorização nesta quinta-feira, com investidores menos receosos após a China refutar notícias de que estaria revisando sua exposição a bônus da zona do euro devido à crise na região.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, avançou 2,85 por cento, para 10.258 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq subiu 3,73 por cento, a 2.277 pontos. O Standard & Poor's 500 ganhou 3,29 por cento, para 1.103 pontos.

A negativa da China foi suficiente para estimular a ponta compradora no volátil mercado acionário, que caiu fortemente frente às máximas de abril em meio a preocupações de que os problemas de dívida na Europa possam se transformar numa crise financeira maior.

"Olhando para isso, a Europa não está piorando", disse Tim Holland, um dos gerentes de portfólio do Aston/TAMRO Diversified Equity Fund, na Virgínia.

O banco central da China disse que a notícia veiculada pelo Financial Times de que o governo do país estaria preocupado com sua exposição a bônus da zona do euro é infundada. Na véspera, essa mesma notícia esfriou um rali nos mercados.

As ações da Microsoft subiram 4 por cento, um dia após a empresa perder o posto de maior companhia de tecnologia do mundo para a Apple por valor de mercado. O FBR Capital Markets elevou a componente do índice Dow Jones para "outperform" (acima da média do mercado), citando melhora nos fundamentos.

Corroborando o ambiente positivo, o índice de volatilidade da bolsa de Chicago, utilizado por Wall Street para mensurar a apreensão do mercado, despencou 15,3 por cento.

Números mostrando que a economia norte-americana cresceu 3 por cento no primeiro trimestre, ritmo menor que o esperado, não foram suficientes para desanimar investidores na busca por barganhas, após os índices despencarem mais de 10 por cento no mês passado.

Outros dados mostraram que o número de pedidos de auxílio-desemprego caiu para 460 mil na semana passsada, de 474 mil na semana anterior, indicando uma melhora gradual no mercado de trabalho.

(Reportagem adicional de Alexei Oreskovic)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host