UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

16/06/2010 - 18h54

Disputa por futuros dita maior giro do ano e Ibovespa sobe

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - Com apoio decisivo das ações da Petrobras, a Bovespa descolou da instabilidade de Wall Street e cravou a quarta alta em cinco sessões, buscando nova máxima em mais de um mês.

O Ibovespa, mais importante índice acionário do mercado brasileiro, subiu 0,48 por cento, para 64.750 pontos. Calibrado pelo exercício dos contratos de índice futuro, o giro financeiro do pregão totalizou 13,72 bilhões de reais, o maior do ano.

De acordo com profissionais do mercado, os negócios foram bastante influenciados pela disputa nos contratos de futuros, incluindo os de opções sobre ações, na próxima segunda-feira.

Com isso, a ação preferencial da Petrobras, a mais importante do índice e centro da disputa por opções, subiu 2,2 por cento, a 29,65 reais.

"Em dias como hoje não dá pra fazer uma análise crítica por causa dos contratos de opções", disse a equipe de análise da Brava Investimentos.

Assim, o noticiário econômico ficou em segundo plano. Nos Estados Unidos, em maio, a produção industrial cresceu mais que o esperado, mas o início de construção de moradias caiu mais do que o previsto, para o menor nível em cinco meses. . Em Wall Street, os principais índices fecharam perto da estabilidade.

Movimentos isolados também deram força ao Ibovespa, como os papéis de varejistas, desprezando a notícia de que as vendas do varejo no país caíram 3 por cento em abril sobre março, o dobro do declínio previsto por analistas ouvidos pela Reuters.

Em destaque, Natura avançou 4,4 por cento, para 39,10 reais. Lojas Renner ganhou 3,8 por cento, saindo a 48 reais.

Na ponta de baixo do índice figuraram as ações de empresas de telefonia. A preferencial da Oi murchou 4,6 por cento, a 28,66 reais, enquanto a da Brasil Telecom cedeu 3,3 por cento, cotada a 12,06 reais. Fora do Ibovespa, o papel ordinário desta última desabou 10,1 por cento, a 16,53 reais.

O movimento seguiu-se à decisão de acionistas minoritários da Brasil Telecom de rejeitar em assembleia nesta quarta-feira a nova relação de troca de ações proposta pela Oi no processo de união das duas operadoras de telecomunicações.

Também fora do índice, OSX foi outro destaque negativo, encolhendo 4,7 por cento, para 471,50 reais, em meio ao temor de negativa para licença ambiental para instalação do estaleiro da companhia em Santa Catarina. Em relatório, a Itaú Corretora considera que a rejeição, se confirmada, obrigaria a empresa do bilionário Eike Batista a procurar outro lugar para o estaleiro e arcar com os custos de refazer o projeto, além do atraso no cronograma.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host