UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

25/06/2010 - 08h52 / Atualizada 25/06/2010 - 13h45

Congresso dos EUA finaliza histórica reforma de Wall Street

Charles Abbott e Andy Sullivan

WASHINGTON, 25 de junho (Reuters) - Os parlamentares dos Estados Unidos finalizaram uma histórica reforma de regulação financeira no início da manhã desta sexta-feira, entregando ao presidente Barack Obama uma enorme vitória doméstica na véspera de uma cúpula global dedicada a reformar o sistema financeiro.

Em uma maratona parlamentar que durou mais de 21 horas, os legisladores reescreveram as regras de Wall Street, o que afetará os lucros da indústria financeira e que irá submetê-la a uma supervisão mais rígida e a restrições mais duras.

A reforma ainda precisa ganhar a aprovação de ambas as câmaras do Congresso antes que Obama possa sancioná-la, dando a Wall Street uma última chance de organizar seu exército de lobistas no Capitólio. É esperada uma ação rápida do Parlamento, e a lei pode ir para assinatura de Obama até 4 de julho.

Mas a lei ficou realmente mais rígida na jornada que já dura anos pelos corredores do Congresso norte-americano. Os democratas lideraram uma onda de irritação pública contra a indústria que se presenteava com bônus abundantes enquanto grande parte do país passava por dificuldades durante a profunda recessão causada por suas ações.

"Nós nos preocupamos sobre as grandes quantias de dinheiro. Eu me preocupo com as grandes quantias de dinheiro que têm influência corruptiva, mas é tranquilizador saber que quando a opinião pública está engajada, ela ganha", disse o deputado democrata Barney Frank, que presidiu o painel.

A reforma mais abrangente das leis financeiras desde os anos 1930 pretende evitar a repetição da crise financeira de 2007-2009, que iniciou a recessão econômica e levou a resgates de gigantes financeiros com dinheiro público. As instituições financeiras teriam de pagar US$ 19 bilhões de dólar para cobrir seus custos.

Os democratas correram para completar seu trabalho antes de Obama viajar nesta sexta-feira ao Canadá para a cúpula do G20. O presidente poderá falar sobre a reforma como modelo para outros países, que tentam coordenar seus esforços para a reforma.

A aprovação da lei, amplamente esperada, também deve somar-se à reforma do sistema de saúde e dar ao Partido Democrata uma importante vitória legislativa antes das eleições parlamentares em novembro.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host