UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

30/06/2010 - 17h53

Mercado vê dólar volátil, mas perto do atual patamar

Por Silvio Cascione

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar terminou um semestre volátil com alta de 3,5 por cento, a 1,80 real, após cair a 1,70 real com a perspectiva de entrada de recursos no país e subir a 1,90 real com as incertezas sobre o crescimento global e sobre a dívida na Europa.

Para os próximos seis meses, profissionais de mercado apostam que o vaivém continua, mas sem a definição de um viés claro para a moeda norte-americana.

Em junho, a taxa de câmbio recuou 0,93 por cento, e terminou cotada a 1,804 para venda no mercado à vista. Nesta quarta-feira, em um movimento de ajuste após a forte alta da véspera, o dólar teve baixa de 0,39 por cento.

A mediana das previsões de analistas ouvidos pelo Banco Central coloca a taxa de câmbio justamente a 1,80 real no final do ano. A estimativa tem se mantido nesse nível há 14 semanas.

"No curto prazo, a tendência ainda será de apreciação do real... Mas, em perspectiva, ao final do terceiro trimestre a tendência deverá ser de valorização do dólar", disse o diretor-executivo da NGO Corretora, Sidnei Nehme, apontando para a perspectiva de um aumento no déficit das transações correntes do país.

Para as próximas semanas, a expectativa é de um crescimento da entrada de recursos no país, após mais de 4 bilhões de dólares em saídas líquidas em junho até o dia 25. Apesar do adiamento da capitalização da Petrobras, que chegou a provocar uma pressão de alta sobre o dólar, a oferta de ações do Banco do Brasil e o ciclo de alta do juro básico devem ser capazes de atrair recursos ao Brasil.

Os próprios bancos se anteciparam ao possível fluxo, vendendo dólares ao Banco Central.

"Estimamos que a posição vendida dos bancos no mercado à vista esteja em cerca de 9,3 bilhões de dólares", escreveu o analista Diego Donadio, do BNP Paribas, em relatório.

A antecipação das vendas, no entanto, pode ter efeito contrário sobre a taxa de câmbio, favorecendo a alta da moeda caso as entradas não se confirmem como esperado. "Esse não é um nível sustentável. Os fatores técnicos não são favoráveis ao real no curto prazo", ponderou Donadio.

Os profissionais de mercado também trabalham com a previsão de que, caso o dólar engrene uma tendência de queda, o governo atue na contramão com a compra de dólares pelo Fundo Soberano. Nesta quarta-feira, na apresentação a jornalistas do relatório de inflação do BC, o diretor de política monetária Carlos Hamilton Araújo afirmou que a taxa de câmbio está apreciada em relação à média histórica.

É preciso também prestar atenção ao exterior. Na visão de analistas do HSBC, esse é o principal fator para a definição da taxa de câmbio no Brasil. O real, segundo relatório do Banco de Compensações Internacionais (BIS) em junho, ocupa o segundo lugar global em derivativos financeiros, à frente do euro.

Entre as principais incertezas sobre o cenário global estão o ritmo de crescimento das principais economias, a possível desaceleração da atividade na China e os desdobramentos da crise da dívida na Europa.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host