UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

01/07/2010 - 09h19

Bolsas da Ásia recuam com preocupação sobre expansão da China

HONG KONG (Reuters) - As principais Bolsas de Valores da Ásia começaram o segundo semestre com queda, pressionadas por recuo de ações japonesas ao pior patamar em sete meses depois que dados de manufatura da China mostraram que o crescimento econômico está desacelerando.

O índice MSCI que acompanha as bolsas da região da Ásia-Pacífico exceto Japão tinha baixa de 1,11%, para 377 pontos, pressionado pelos dados da China que afetaram papeis vinculados a commodities.

Embora já se esperasse que o crescimento da China perdesse força, a notícia destacou os receios dos investidores de que a recuperação econômica global pode estar perdendo ritmo em meio à crise da dívida da Europa e da fraqueza persistente no mercado norte-americano.

Uma pesquisa oficial mostrou que o ritmo da atividade industrial chinesa abrandou em junho para o menor nível desde fevereiro.

Por outro lado, a Coréia do Sul divulgou números de exportação que registraram superavit comercial recorde, somando-se aos números sem rumo comum de outras regiões nas últimas semanas que levaram os investidores a se desfazerem de ativos de maior risco. Em Seul, a Bolsa teve desvalorização de 0,71%, para 1.686 pontos.

Mas todos os olhos ficaram voltados mesmo para a China, que em grande parte tem liderado a recuperação global.

"O crescimento da economia da China está em uma fase crítica de estabilização após a alta", disse Zhang Liqun, um economista do governo chinês, em um comunicado a respeito da pesquisa de produção.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng fechou com queda de 0,59%, para 20.128 pontos. Xangai perdeu 1,02%, para 2.373 pontos e Taiwan teve recuo de 1,03%, aos 7.254 pontos.

Qu Hongbin, economista-chefe para China do HSBC, disse que a economia está claramente se resfriando, "mas os temores de uma aterrissagem difícil são exagerados. Esperamos que a China alcance cerca de 9% de crescimento no segundo semestre, apoiada por um investimento corrente e forte consumo privado".

A Bolsa de Tóquio caiu 2,04%, para 9.191 pontos, patamar mais baixo desde 30 de novembro de 2009. Ações dos setores de tecnologia e de empresas exportadoras foram os maiores pesos no índice.

O um certo alívio veio com uma pesquisa de confiança feita pelo Banco do Japão que revelou que os empresários japoneses estão mais otimistas sobre as condições de negócio pela primeira vez em dois anos, graças a sólidas exportações para a Ásia.

"O mercado não estava esperando muito da pesquisa, mas pode ter ajudado um pouco a conter os movimentos de venda", disse Nagayuki Yamagishi, estrategista do Mitsubishi UFJ Securities Morgan Stanley em Tóquio.

O dado chinês impactou no setor de commodities, derrubando a Bolsa de Sydney, que registrou desvalorização de 1,49%, a 4.237 pontos. Cingapura recuou 0,53%, para 2.820 pontos.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host