UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

01/07/2010 - 19h14

Wall Street cai por dados fracos e tensão antes de relatório

Por Chuck Mikolajczak

NOVA YORK (Reuters) - As bolsas de valores norte-americanas terminaram em baixa nesta quinta-feira, depois que dados dos mercados manufatureiro e de trabalho elevaram temores de uma recaída na recessão, antes do relatório mais geral do mercado trabalhista do país, com divulgação prevista para sexta-feira.

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 0,42 por cento, para 9.732 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 0,37 por cento, para 2.101 pontos. O Standard & Poor's 500 perdeu 0,32 por cento, para 1.027 pontos.

Os principais índices recuaram pelo quarto dia seguido, após sofrerem o pior trimestre desde o fim de 2008. Perto do fim do pregão, contudo, as perdas diminuíram.

"Exatamente agora todo mundo está preocupado com uma 'depressão potencial' ou com uma deflação em curso. Isso realmente está incomodando o mercado", disse Paul Mendelsohn, estrategista-chefe de investimento da Windham Financial Services, em Charlotte, Vermont.

A atenção do investidor parece ter desviado das preocupações com a crise de dívida na zona do euro para os dados macroeconômicos nos Estados Unidos que vêm apontando uma desaceleração da recuperação. Como reflexo, o euro subiu mais de 2 por cento frente ao dólar.

"O foco está voltando para nós e, dependendo do que acontecer amanhã, terá um tremendo impacto sobre se as atenções vão ficar sobre nós ou voltar para a Europa", acrescentou Mendelsohn.

Segundo uma pesquisa da Reuters, economistas esperam que o relatório do Departamento de Trabalho, a ser divulgado na sexta-feira, mostre a perda de 110 mil empregos.

Indicadores sugeriram que os mercados estão excessivamente vendidos, mas temores com o relatório de empregos pior que o esperado, exacerbados pelos dados de auxílio-desemprego, mantiveram os compradores de lado.

O relatório revelou que os pedidos de auxílio-desemprego inesperadamente subiram na semana passada, elevando o medo de que a recuperação do mercado de trabalho está perdendo força.

A agenda desta quinta-feira também mostrou que o índice manufatureiro do Instituto de Gestão do Fornecimento, considerado termômetro do setor, caiu ao menor nível desde dezembro. Também as vendas pendentes de moradias despencaram à taxa recorde de 30 por cento em maio .

As ações da Ford, em alta de 4,9 por cento, estiveram entre as de bom desempenho, depois de a montadora de automóveis informar que suas vendas em junho subiram 15 por cento.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host