UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

19/07/2010 - 18h43

Boeing vê Bombardier como potencial concorrente, diz diretor

Kyle Peterson

FARNBOROUGH, Inglaterra (Reuters) - Os jatos CSeries da canadense Bombardier, que terão capacidade entre 100 e 149 passageiros, são um "potencial competidor" do modelo 737 da Boeing e podem influenciar a decisão de redesenhar ou não o modelo 737 da fabricante norte-americana.

O diretor-geral dos programas da Boeing Commercial Airplanes, Pat Shanahan, disse à agência de notícias Reuters na segunda-feira (19) na Feira de Aeronáutica de Farnborough que o CSeries é um projeto "ambicioso".

"Certamente é um incentivo a mais para nós continuarmos a investir em novos produtos e nova tecnologia", afirmou. "Eles são um competidor em potencial", acrescentou Shanahan.

A Bombardier, maior fabricante mundial de aviões executivos, espera entrar no mercado de jatos de maior porte --hoje dominado por Boeing e Airbus-- com suas aeronaves CSeries. A empresa canadense, historicamente rival da brasileira Embraer na produção de aeronaves comerciais regionais-- tem encomendas garantidas para 90 aviões e mais 90 opções de compra.

Mas a Bombardier surpreendeu a feira de aviação na Inglaterra com apenas um pequeno pedido de jatos executivos da Qatar Airways anunciado até o momento. Especialistas em aviação esperavam ver mais encomendas.

O possível apelo do avião CSeries às companhias aéreas também pesará na decisão da Boeing de como atualizar seu modelo 737, afirmou Shanahan.

Executivos da Boeing disseram que a companhia deve decidir ainda este ano se a companhia projetará um 737 totalmente novo ou apenas colocará um novo motor no design antigo.

A Airbus, principal rival da Boeing, considera uma abordagem similar para modernizar o modelo A320. A troca de motores possibilitaria antecipar a chegada de aviões mais modernos ao mercado, em comparação com o desenvolvimento de uma aeronave totalmente diferente.

Shanahan afirmou que o maior desafio enfrentado pela Boeing atualmente é encontrar uma forma de aumentar a produção de aeronaves para atender as necessidades crescentes das companhias aéreas --em especial no Oriente Médio-- sem sobrecarregar a cadeia de fornecedores.

Recentemente, a Boeing anunciou planos de aumentar a produção de seu modelo 737. Shanahan também observou uma forte demanda pelos aviões 787 e 777 da Boeing.

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host