UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

24/08/2010 - 19h06

NY cede a mínima em 7 semanas por dado imobiliário

Por Leah Schnurr

NOVA YORK (Reuters) - As bolsas de valores norte-americanas terminaram esta terça-feira no menor nível em sete semanas, depois que o forte recuo nas vendas de casas usadas no país endossou preocupações de que a recuperação econômica está ainda mais fraca que se imaginava.

Um movimento de caça a barganhas, contudo, ajudou os índices a se afastarem das mínimas.

O Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, recuou 1,32 por cento, para 10.040 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq caiu 1,66 por cento, para 2.123 pontos. O índice Standard & Poor's 500 perdeu 1,45 por cento, para 1.051 pontos.

O Dow e o S&P 500 cravaram a quarta queda seguida, pressionados após a Associação Nacional dos Corretores reportar que as vendas de moradias usadas nos EUA desabaram em julho ao menor ritmo em 15 anos .

"O que está nos orientando é a visão de que a perspectiva econômica está ficando um pouco pior", disse Bernie McSherry, vice-presidente sênior da Cuttone & Co, em Nova York.

Com o setor imobiliário sendo um segmento chave na economia dos EUA --amplamente dependente do gasto do consumidor--, o último dado coloca o ritmo da retomada em xeque e reforça a recente busca de investidores por segurança.

Os preços dos Treasuries avançaram, com os rendimentos dos papéis de dois anos renovando a mínima histórica. No S&P 500, os setores de utilidade pública e de telecomunicações --considerados defensivos-- foram um dos poucos a marcar ganhos ao longo do dia.

Companhias sensíveis à economia estiveram entre as de pior influência no Dow, incluindo a fabricante de aeronaves Boeing, que caiu 3,7 por cento. As ações de bancos também figuraram entre as mais golpeadas, com o índice bancário KBW em queda de 2,2 por cento.

Papéis de construtoras e ligados a esse setor seguiram a toada, mas se afastaram das mínimas após atingirem suportes técnicos. O índice PHLX para o segmento imobiliário terminou em baixa de 1,1 por cento, a 89,53 pontos, recuperando-se de uma queda de 3 por cento após atingir o piso de julho, pouco acima de 87 pontos.

Também pressionou o mercado uma reportagem de que ao menos sete das 17 autoridades do Federal Reserve que participaram do encontro de política monetária de agosto mostraram reservas sobre a decisão do Fed de comprar mais Treasuries.

Hospedagem: UOL Host