UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

09/09/2010 - 19h04

Dados dos EUA ditam alta na Bovespa; Petrobras volta a cair

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa resistiu a mais um dia de perdas da blue chip Petrobras e, ancorado no otimismo de Wall Street com o recuo nos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos, fechou no azul.

Com o apoio das ações de empresas ligadas ao mercado doméstico, o Ibovespa subiu 0,33 por cento, para 66.624 pontos. O giro financeiro da sessão ficou em 4,87 bilhões de reais.

De acordo com profissionais do mercado, os indicadores positivos dos EUA deram alento ao mercado, que teme que o país volte à recessão.

Um dado mostrou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram na última semana para o menor nível em dois meses. Outro apontou aumento das exportações em julho.

"Os números ajudaram um pouco, porque o mercado estava meio na defensiva por causa da Europa", disse Igor Campos, operador da Fator Corretora.

O Dow Jones, um dos principal índice acionários das bolsas de Nova York, subiu 0,27 por cento.

Na bolsa paulista, empresas ligadas ao mercado brasileiro ficaram no topo do Ibovespa.

Setorialmente, o imobiliário foi o de melhor performance, após a Caixa Econômica Federal, a maior financiadora de imóveis do país, ter revisado para cima sua projeção de crescimento da carteira do setor em 2010, de 60 bilhões para 70 bilhões de reais.

Cyrela puxou a fila, com um avanço de 4,1 por cento, a 23,20 reais. Pouco atrás, Rossi Residencial teve ganho de 3,25 por cento, cotada a 15,88 reais.

Individualmente, Cosan se destacou com elevação de 3,95 por cento, a 23,70 reais, após os contratos de futuros do açúcar negociados na bolsa de Nova York atingirem o maior patamar em seis meses.

Embora analistas tenham visto com pessimismo o anúncio de que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs um reajuste menor do que o esperado para tarifas das distribuidoras de energia elétrica, as companhias do setor recuperaram-se parcialmente das perdas da véspera.

Copel ganhou 1,4 por cento, a 37,83 reais. Cemig evoluiu 1,3 por cento, saindo a 27 reais.

"Ressaltamos que audiência não é definitiva e ainda passa pela revisão e pelo processo homologatório da autoridade regulatória", disse a Ativa Corretora, em relatório.

Petrobras figurou mais uma vez na coluna de perdas do índice, com seu papel preferencial caindo 0,83 por cento, a 27,60 reais, com investidores 'batendo' no papel para buscar um valor mais atrativo na oferta pública de ações da companhia, previsto para acontecer no fim do mês.

Hospedagem: UOL Host