UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

 

13/09/2010 - 15h42

Thomson Reuters lança na 3a novo terminal financeiro Eikon

Por Jennifer Saba

NOVA YORK (Reuters) - A Thomson Reuters vai lançar na terça-feira seu novo terminal de informações Eikon, voltado a profissionais do mercado financeiro. O produto incorpora recursos de mídias sociais e faz parte dos esforços da empresa para conquistar clientes da Bloomberg e outras rivais.

O Thomson Reuters Eikon vai reunir dezenas de produtos separados que fornecem dados, notícias, análises e ferramentas de negociação, bem como aplicativos de mídia social familiares aos usuários de Twitter, Facebook e mensagens instantâneas.

O Eikon representa a maior parte do investimento de 1 bilhão de dólares em novos produtos financeiros que incluem o serviço de vídeo Insider e a rede de dados Elektron.

Junto com sistema de busca aprimorado, os usuários do Eikon poderão também acessar o terminal via dispositivos móveis como iPhone e BlackBerry.

"O que estamos tentando fazer é pegar o melhor aprendizado do mundo da mídia ao consumidor e aplicá-lo nessas ferramentas profissionais", disse Devin Wenig, presidente-executivo da divisão Markets da companhia, que vende produtos para instituições financeiras.

"Nossos clientes dizem que temos grandes ferramentas mas não conseguimos juntá-las porque estão em muitas partes. E eles afirmam que toda a indústria está um pouco cansada disso e é hora de renovar", disse Wenig em entrevista.

O novo terminal é projetado para ser mais eficiente em termos de custo para uma companhia e fornecerá um serviço melhor aos clientes porque é mais fácil de instalar e atualizar, disse o executivo.

Wenig não informou projeções de receita ou de número de instalações esperado pela Thomson Reuters para o produto.

A companhia continuará a fornecer suporte para atuais produtos mas espera que os clientes adotem o Eikon rapidamente, segundo Wenig.

LIDERANÇA LIGEIRA

A Thomson Reuters manteve uma ligeira liderança no segmento de mercados sobre a principal competidora, Bloomberg, em 2009, com uma participação de 33 por cento e receita de 7,5 bilhões de dólares, ante 28 por cento e 6,2 bilhões de dólares da Bloomberg, segundo a consultoria Burton-Taylor International.

A empresa tem quase 500 mil usuários, quase a metade deles sendo assinantes premium. A Bloomberg afirma que tem cerca de 288 mil.

A Bloomberg lançou uma versão atualizada de seu terminal este ano, oferecendo recursos como buscas mais intuitivas.

A Thomson Reuters espera que os recursos atualizados de seu terminal que permitem aos usuários comentar, conversar e enviar gráficos, reportagens e outras informações contra-ataquem o serviço de mensagens instantâneas da Bloomberg.

Apesar dos novos recursos de mídia social serem atraentes, ainda não está claro quantos clientes vão adotá-los, disse Claudio Aspesi, analista da Sanford C. Bernstein.

A comunidade de usuários da Bloomberg dá à empresa uma vantagem em certas áreas, incluindo renda fixa e negociação de ações, disse ele.

"Como você faz uma comunidade de usuários mudar de um conjunto de ferramentas para outro? Não há incentivo para qualquer um deixar de usar a Bloomberg", disse o analista.

Larry Tab, presidente executivo da empresa de pesquisa de mercado financeiro Tabb Group, também citou que leva tempo para se tirar participação de mercado em terminais financeiros porque os clientes normalmente estão vinculados a contratos de dois anos. "Acho que vai levar alguns anos para se firmar."

Uma representante da Bloomberg evitou comentar assuntos relativos à concorrência.

Hospedagem: UOL Host