UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

05/01/2009 - 12h10

DIs operam em baixa com agentes esperando queda de 0,5 ponto na Selic

SÃO PAULO - Os contratos de juros futuros começam a semana registrando queda na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM & F). Uma redução na taxa Selic é dada como certa na reunião de janeiro do Comitê de Política Monetária (Copom) e os agentes fecham o consenso em torno da amplitude do corte. A julgar pelo boletim Focus apresentado hoje, a divisão que existia entre redução de 0,25 ponto e 0,5 ponto percentual parece perder força. De acordo com a sondagem do Banco Central, a primeira de 2009, a mediana das estimativas aponta para redução de 0,5 ponto, trazendo a taxa básica para 13,25% ao ano, dos atuais 13,75%. Para o final do ano, a estimativa permanece de juro em 12%.

Alinhado com tal sinalização de mercado, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento para janeiro de 2010 apontava queda de 0,10 ponto percentual, para 12,04%. O contrato para janeiro 2011 tinha desvalorização de 0,17 ponto, a 11,97%. E janeiro 2012 apontava 12,04%, redução de 0,13 ponto.

Na ponta curta, o DI para julho de 2009 caía 0,03 ponto, para 12,65% ao ano. E o vencimento para março de 2009 tinha leve baixa de 0,01 ponto, a 13,25%.

O gestor da Brascan Gestão de Ativos (BGA), Luiz Fernando Romano, também acredita em corte de meio ponto percentual na Selic na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do dia 21 de janeiro. Segundo o especialista, o comportamento da curva é condizente com o cenário de menor crescimento e inflação, mas a definição da velocidade e da intensidade total do ciclo de afrouxamento monetário dependerá dos próximos dados econômicos. De acordo com Romano, as curvas já estão bem precificadas e sinal disso é o vencimento janeiro de 2010, que projeta queda de 0,5 ponto em todas as oito reuniões do ano.

Na avaliação do especialista, para as taxas recuarem ainda mais, os dados sobre atividade econômica têm que ficar abaixo das expectativas, ou seja, os números têm que desenhar um cenário pior do que o esperado.

Alguma sinalização nesse sentido pode ser obtida amanhã, quando o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apresentar os dados sobre a produção industrial em novembro.

De volta à agenda do dia, o boletim Focus também mostrou retração na projeção de inflação para 2008. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 6,01%, contra 6,03% previstos anteriormente. Tal previsão poderá ser confirmada na sexta-feira, quando o IBGE apresenta os números oficiais. Depois de um breve repique de alta, o prognóstico para o crescimento da economia em 2009 voltou a recuar, de 2,44%, para 2,4%. Em 2008, o Produto Interno Bruto (PIB) deve registrar expansão de 5,62%, contra 5,6% da medição anterior.

Os investidores também receberam o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), que registrou alta de 0,52% em dezembro. Com isso, o indicador fechou 2008 apresentando variação positiva de 6,07%, inflação superior aos 4,6% de 2007.

(Eduardo Campos | Valor Online)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host