UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

05/01/2009 - 18h14

Israel rechaça trégua proposta pela União Européia

BRASÍLIA - O governo de Israel rechaçou hoje a proposta de cessar-fogo na Faixa de Gaza apresentada por uma delegação européia. "Combateremos o terrorismo e não faremos acordos com o terrorismo", afirmou a chanceler israelense, Tipzi Livni, no décimo dia da ofensiva de Israel contra o grupo palestino Hamas, segundo informações da agência Telam.

"Israel atua para mudar a equação que o Hamas manteve antes da operação militar, em que ele ataca Israel quando quer e Israel mostra moderação", afirmou, logo depois de uma conversa com a delegação da União Européia.

Na ocasião, o chanceler da República Tcheca, Karel Schwarzenberg, voltou a pedir que Israel interrompa imediatamente a ofensiva em Gaza, que já resultou em mais de 500 mortos. A comitiva também era composta pelos chanceleres francês, Bernard Koucher, e sueco, Carl Bildt; pelo chefe da diplomacia européia, Javier Solana; e pela comissária européia para Relações Exteriores, Benita Ferrero Waldner. A delegação também se reuniu hoje com o presidente do Egito, Hosni Mubarak. O chanceler egípcio, Ahmed Abul Gheit, disse que os mecanismos para conseguir um cessar-fogo e avançar na assistência humanitária foram os temas da reunião. De acordo com ele, o presidente Mubarak expressou sua determinação em trabalhar pelo fim da ofensiva.

O governo israelense afirmou que o objetivo da ação militar em Gaza é de impedir que o Hamas continue a lançar foguetes contra o território de Israel, que nos últimos sete anos causaram 23 mortes.

O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, afirmou, na Casa Branca, que entende o desejo de Israel de "se proteger". Ele também afirmou que ainda tem esperança de que uma trégua seja possível, mas acrescentou que nenhum plano de paz vai funcionar se o Hamas não for obrigado a parar o lançamento de foguetes contra o território israelense.

Enquanto isso, o líder do Hamas, Mahmud Sahar, convocou os militantes islâmicos a continuar atacando o território vizinho. No terceiro dia da ofensiva por terra, em uma mensagem por vídeo a partir do local onde está escondido, Sahar disse que a ação de Israel na Faixa de Gaza inicia "a ruína do seu Estado frágil na Palestina" e antecipou a vitória do Hamas no conflito.

Segundo o Ministério da Saúde palestino, já são mais de 530 os mortos, 20% de crianças, e cerca de 2,5 mil feridos, desde o início da ofensiva, no dia 27 de dezembro. (Agência Brasil)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host