UOL Notícias Economia

BOLSAS

CÂMBIO

01/09/2009 - 20h28

Fitch alerta para risco político e aumento da alavancagem na Petrobras

RIO - A agência de classificação de risco Fitch Ratings acredita que os investimentos adicionais esperados com o novo marco regulatório do pré-sal poderão levar os indicadores de qualidade do crédito da Petrobras a níveis mais fracos que os atuais em 2010. De acordo com nota divulgada pela agência, só no âmbito do atual plano de negócios 2009-2013, de US$ 174,4 bilhões, espera-se um aumento de US$ 30 bilhões na alavancagem da companhia. A Fitch alertou ainda para o risco de aumento da interferência política na companhia. Para 2011, a Fitch acredita que o aumento do fluxo de caixa decorrente dos investimentos em anos anteriores e a recuperação dos preços do petróleo contribuirão para elevar os indicadores de qualidade de crédito, que podem voltar a ficar em linha com os níveis históricos.

"A maior geração de fluxo de caixa e as reservas provadas podem permitir à Petrobras um endividamento mais significativo, sem pressionar a qualidade do crédito", diz a agência.

Segundo a Fitch, a expectativa para a alavancagem líquida em 2011 é de 1,25 vezes, enquanto a alavancagem líquida ajustada esperada é de 2,25 vezes, o que é "consistente com o atual rating BBB para dívida em moeda estrangeira da Petrobras, com perspectiva estável".

A Fitch afirma que a posição global da estatal foi fortalecida pela decisão do governo brasileiro de contribuir com até 5 bilhões de barris para a companhia, mas alerta que isso pode representar um retrocesso nos efeitos positivos das medidas voltadas para o mercado que foram implementadas em anos recentes, acompanhadas de aumento da governança corporativa.

"A Fitch espera que a Petrobras reitere seu compromisso com a transparência e as melhores práticas do setor privado, mas o risco de interferência política crescerá se os acionistas minoritários não mantiverem sua fatia na companhia", acrescenta a Fitch.

(Valor Online)

Compartilhe:

    Hospedagem: UOL Host